siiclogo2c.gif (4671 bytes)

TREINAMENTO (ENTRENAMIENTO) MUSCULAR INSPIRATÓRIO SOBRE O (EL) CONTROLE AUTONÔMICO DE INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS (SANOS)
(especial para SIIC © Derechos reservados)
dellameaplentz9_n2114.jpg Autor:
Rodrigo Della Méa Plentz
Columnista Experto de SIIC

Institución:
Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre

Artículos publicados por Rodrigo Della Méa Plentz 
Coautores
Vanessa Giendruczak da Silva* Thiago Dipp* Fabricio Edler Macagnan** Luisa Ciaoato Lemos*** Janice Luisa Lukrafka Tartari**** Graciele Sbruzzi***** 
Fisioterapeuta, Mestre em Ciências da Saúde, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Porto Alegre, Brasil*
Fisioterapeuta, Professor Doutor em Ciências, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Porto Alegre, Brasil**
Bolsista de Iniciação Científica, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Porto Alegre, Brasil***
Professora Doutora em Ciências, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Porto Alegre, Brasil****
Professora Doutora, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Porto Alegre, Brasil*****

Recepción del artículo: 26 de septiembre, 2014

Aprobación: 21 de octubre, 2014

Primera edición: 11 de agosto, 2015

Segunda edición, ampliada y corregida 11 de agosto, 2015

Conclusión breve
Ensaio (Ensayo) clínico randomizado cruzado. A variabilidade da ( (La variación en la) frequência cardíaca foi analisada antes e após o treinamento (antes del entrenamiento y después de éste) muscular inspiratório aos (a los) 10 minutos, 60 minutos e 24 horas.

Resumen

Objetivo: Verificar o efeito (el efecto) agudo de diferentes sobrecargas de treinamento (entrenamiento) muscular inspiratório (TMI) sobre a (la) modulação autonômica cardiovascular em indivíduos saudáveis. Métodos: Ensaio (Ensayo) clínico randomizado cruzado. Foram (Fueron) incluídos voluntários saudáveis (sanos) entre 18 e 35 anos. A variabilidade da (de la) frequência cardíaca (VFC) foi analisada antes e após o (y después del) TMI aos (a los) 10 minutos, 60 minutos e 24 horas (agudo, subagudo e tardio, respectivamente). A força (La fuerza) muscular inspiratória foi avaliada (fue evaluada) através da (de la) medida de pressão inspiratória máxima (PImáx) com a utilização do (del) manovacuômetro digital MVD 300 (Microhard System®, Globalmed, Porto Alegre, Brasil). O TMI foi realizado à 30% e 60% da pressão inspiratória máxima (PImáx) ajustados no (en el) dispositivo pressórico linear Powerbreathe®. Resultados: Foram avaliados dezenove (diecinueve) indivíduos (47% homens, 25 ± 5 anos). Na (En la) fase aguda apenas com 60% da PImáx houve redução (hubo una reducción) significativa da variabilidade dos (de los) intervalos RR e no (y en el) componente de alta frequência (HFnu), enquanto que o (mientras que el) componente de baixa (baja) frequência (LFnu) e o balanço (y el equilibrio) autonômico (LF/HF) aumentaram significativamente. Na (En la) fase subaguda, o mesmo comportamento foi observado para HFnu, LFnu, LF/HF. Quando comparadas as (Cuando fueron comparadas las) sobrecargas, houve (hubo) aumento significativo na (en la) magnitude do efeito a 60% PImáx para NN50, LF/HF, LFnu, HFnu na fase aguda, bem como, para (así como para) RR, NN50, LFnu e HFnu na fase subaguda (p < 0.05). Conclusão: Agudamente, o efeito do TMI à 60% da PImáx foi maior deslocando a (fue más grande, desplazando la) modulação autonômica do sistema cardiovascular em indivíduos saudáveis para um predomínio simpático.

Palabras clave
exercício respiratório, ejercicio respiratorio, treinamento, entrenamiento, sobrecarga, sobrecarga, sistema nervoso autónomo, sistema nervioso autónomo

Clasificación en siicsalud
Artículos originales> Expertos del Mundo>
página www.siicsalud.com/des/expertos.php/140299

Especialidades
Principal: KinesiologíaMedicina Deportiva
Relacionadas: CardiologíaFisiatríaNeumonología

Enviar correspondencia a:
Rodrigo Della Méa Plentz, 90050170, Porto Alegre, Brasil

Inspiratory muscle training in autonomic control in healthy individuals

Abstract
Objective: To evaluate the acute effects of different inspiratory muscle training (IMT) overloads on cardiovascular autonomic modulation. Methods: A randomized crossover trial with 19 young and healthy subjects aged between 18 and 35 years old (47% men, 25 ± 5 years). Heart beat was recorded before and after 10 minutes (acute), 60 minutes (sub-acute), and 24 hours (chronic) of IMT at 30% and 60% of maximal inspiratory pressure (MIP). A Polar® RS800CX cardiomonitor and Kubios software were used to analyze heart rate variability (HRV). A linear inspiratory resistor device (Powerbreathe®) was used for IMT. Results: The HRV was significantly changed by IMT in acute and sub-acute times, but only after 60% of MIP. The HRV on time domain (R-R interval) was significantly reduced, on frequency domain the HF(nu) was reduced whereas both LF(nu) and autonomic balance (LF/HF) increased. In the sub-acute phase, the same behaviour was verified on HF(nu), LF(nu) and autonomic balance (LF/HF). When the two loads were compared, the magnitude of the effect was higher in acute phase at 60% MIP on NN50, LF/HF, LF(nu) as well for RR intervals, NN50, LF(nu) e HF(nu) at sub-acute phase (p < 0.05). Conclusions: The IMT overload reduced the parasympathetic and increased the sympathetic modulation of the HRV in acute and sub-acute periods only at 60% of MIP in the healthy subjects.


Key words
respiratory exercise, training, overload, autonomic nervous system

TREINAMENTO (ENTRENAMIENTO) MUSCULAR INSPIRATÓRIO SOBRE O (EL) CONTROLE AUTONÔMICO DE INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS (SANOS)

(especial para SIIC © Derechos reservados)

Artículo completo
Introdução

A (La) prática regular de exercício físico moderado e intenso pode reduzir os riscos (los riesgos) de mortalidade independente da idade e raça, mostrando um efeito (de la edad y la etnia, mostrando un efecto) cardioprotetor.1,2 Dentre os (Entre los) diferentes tipos de exercício físico descritos como benéficos para o sistema cardiovascular, o treinamento (el entrenamiento) de resistência se configura como uma medida não-farmacológica útil no ajuste da modulação autonômica do (en el ajuste de la modulación autonómica del) sistema cardiovascular, principalmente por aumentar a variabilidade da frequência cardíaca (VFC).3 Da mesma forma, o (De la misma manera, el) treinamento muscular inspiratório (TMI) vem sendo (ha sido) frequentemente aplicado em diferentes populações tanto para o tratamento das disfunções da (el tratamiento de las disfunciones de la) musculatura ventilatória quanto para melhorar a (como para mejorar la) performance física de indivíduos saudáveis.4-8
Esta modalidade apresenta evidências benéficas para diferentes finalidades tais como melhora da força, endurance dos (mejora la fuerza, la resistencia de los) músculos ventilatórios,6,7,9,10 aumento da capacidade funcional e qualidade de vida.8,11 Alguns mecanismos são propostos (se proponen) para explicar as repercussões do TMI sobre fluxo sanguíneo periférico, pressão sanguínea, consumo máximo de oxigênio e controle autonômico cardiovascular em populações distintas.8,12-14 De fato, entre o (De hecho, entre el) sistema respiratório e o cardiovascular há uma estreita relação (hay una estrecha relación). A ventilação pulmonar produz modulação da pressão intratorácica, mudanças no retorno venoso e alteração no volume de ejeção (cambios en el retorno venoso y en el volumen de eyección), levando a mudanças fásicas na pressão sistólica e na frequência cardíaca.8,15 Assim, através de uma rede ampla (De este modo, a través de una red amplia) de informações e diferentes tipos de receptores,16 o sistema nervoso autônomo (SNA) atua pela (actúa por la) ativação simpática e parassimpática, regulando a pressão de perfusão com variações no débito (con variaciones en el gasto) cardíaco (DC) e na resistência vascular periférica (RVP).8,15,17,18

Alguns trabalhos têm demonstrado o efeito do (han demostrado el efecto del) TMI sobre o SNA, Ferreira e col. encontraram resultados significativos em pacientes hipertensos na redução da modulação simpática e predomínio da modulação parassimpática, avaliados antes e após oito (evaluados antes y luego de ocho) semanas de TMI a 30% da PImáx.12 Da mesma forma, resultados semelhantes foram obtidos na doença cardíaca crônica após (se obtuvieron en la enfermedad cardíaca crónica después de) 12 semanas de TMI, com a mesma intensidade de carga, houve diminuição na (hubo reducción en la) atividade nervosa simpática muscular.14

Em populações saudáveis (En las poblaciones sanas), também se verifica a ação do (la acción del) TMI sobre os sistemas respiratório e cardiovascular. Um estudo com oito remadores saudáveis (con ocho remeros sanos) observou o efeito agudo de cargas que variaram de 50% a 90% da PImáx, demonstrando aumento na FC em todas as cargas utilizadas, porém somente (sin embargo sólo) a partir de 60% da PImáx houve aumento significativo na pressão arterial sistólica e na pressão arterial média.19 Sobrecargas entre 50% e 100% da PImáx, induzem fadiga no (inducen fatiga del) músculo diafragma20 e mostraram importantes repercussão no sistema cardiovascular com aumento da FC, PA e atividade nervosa simpática muscular.17,21 As repercussões do TMI sobre os sistemas respiratório e cardiovascular, parecem estar relacionadas à sobrecarga de trabalho ventilatório.

De fato, ao comparar o (De hecho, cuando se compara el) TMI à 40%, 60% e 80% da PImáx de quarenta indivíduos saudáveis, houve melhora na (hubo mejora en la) capacidade de trabalho e na potência apenas quando a (y en la potencia sólo cuando la) sobrecarga ultrapassou 60% da PImáx, enquanto que a capacidade vital e capacidade pulmonar total só aumentou com o (sólo se incrementó con el) TMI realizado à 80% da PImáx6. Portanto, os benefícios do (Por lo tanto, los beneficios del) TMI parecem depender da sobrecarga utilizada conforme observado em diferentes populações, mas não há, na (todavía no hay, en la) literatura internacional, um consenso sobre a carga e o tempo (y el tiempo) de duração da sessão necessários para induzir as adaptações desejadas (inducir las adaptaciones deseadas). Em geral, esses (En general, estos) parâmetros oscilam muito entre os protocolos publicados e a duração do TMI varia de semanas,12,22 meses23 até um ano (hasta un año).24
O (El) efeito do TMI sobre a modulação autonômica do sistema cardiovascular também é pouco conhecido, e os (se conoce poco, y los) resultados apresentam certos conflitos em relação à adaptação gerada pelo (generada por el) treinamento especialmente na VFC.2,25,26 Portanto, esse estudo tem como objetivo verificar o efeito do TMI sobre a VFC e testar a (y probar la) hipótese de que a sobrecarga aguda da musculatura inspiratória altera a modulação do SNA cardiovascular de indivíduos saudáveis de forma dependente da intensidade utilizada.


Materiais e métodos

Trata-se de um ensaio (Se trata de un ensayo) clínico randomizado do tipo cruzado, em que o desfecho primário do estudo é avaliar o efeito (el objetivo final primario del estudio es evaluar el efecto) agudo de duas sobrecarga de TMI (30% e 60% da PImáx) sobre a VFC. O balanço (El balance) autonômico, expresso pela relação LF(nu)/HF(nu) foi escolhido como o (elegido como el) principal desfecho e foi, portanto, a (y fue, por lo tanto, la) variável de escolha pra o cálculo do tamanho amostral (del tamaño de la muestra). Cálculo foi realizado com um nível de significância de 5%, considerando que o desvio padrão da (desviación estándar de la) LF(nu)/HF(nu) esperada para essa faixa etária é (grupo etario es) 0.2 e o erro (y el error) máximo de estimativa atribuído é 0.09. Sendo assim o tamanho da amostra limitou-se à 19 indivíduos.

Em função disso (Como resultado), participaram do estudo 19 indivíduos saudáveis, sedentários, de ambos os sexos e com idade (y con edades) entre 18 e 35 anos que concordaram em participar após a lerem e assinar (luego de leer y firmar) o termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE) (el consentimiento informado) aprovado pelo (por el) Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) sob o número (075/05).
Para participar do estudo os voluntários deveriam ter história livre de doença (enfermedad) cardiovascular ou pulmonar, não utilizar medicações que interferem no controle (no usar medicamentos que interfieran con el control) autonômico e não praticar atividade física recreativa ou competitiva acima de duas (más de dos) vezes por semana. Ainda, foram excluídos indivíduos tabagistas (fumadores), obesos (IMC = 30 kg/m2) e com histórico de doenças prévia ou ativa (o activa).

Protocolo experimental

Os procedimentos de recrutamento dos voluntários, avaliações da força (evaluación de la fuerza) muscular respiratória bem como o (así como el) TMI foram realizados no (en el) período entre julho de 2012 e janeiro (y enero) de 2013. A avaliação da VFC foi realizada em um ambiente silencioso e com temperatura controlada (22 ± 1°C) do Laboratório de Fisiologia da UFCSPA.

Após as avaliações iniciais (Luego de las evaluaciones iniciales), todos os voluntários realizaram uma única sessão de TMI em ambas sobrecargas (30% ou 60% da PImáx). A sobrecarga utilizada na primeira sessão foi randomicamente (aleatoriamente) estabelecida a partir de um software específico para essa finalidade (www.random.org.br). Um intervalo de 15 dias foi dado entre cada sessão (fue dado entre cada sesión).

A VFC foi avaliada em três momentos distintos. No primeiro momento a avaliação foi realizada no início do estudo e serviu (al inicio del estudio y sirvió) de referência para os valores basais (los valores de base). No segundo e terceiro momento as avaliações foram realizadas nas duas (en las dos) sessões de TMI estudas (30% e 60% da PImáx). Em cada una das sessões de TMI, a VFC foi avaliada em repouso (se evaluó en reposo) (antes do TMI) e após (y luego de) 10 min (agudo), 60 (subagudo) e 24 h (tardio).

Para a análise da (Para el análisis de la) VFC os voluntários foram orientados a suspender o consumo de alimentos e bebidas compostas por cafeína e álcool, assim como atividade física acima do habitual 24 h prévias ao (anteriores al) registro. Todos receberam uma orientação de realizar uma refeição leve por, pelo (una comida liviana al) menos, 2 horas antes da avaliação.



Avaliação da força muscular respiratória

A força muscular inspiratória foi avaliada através da medida de pressão inspiratória máxima (PImáx) com a utilização do manovacuômetro digital MVD 300 (Microhard System®, Globalmed, Porto Alegre, Brasil), escalonado em ± 300 cm H2O.27,28 A medida foi realizada previamente para determinação da sobrecarga a ser imposta no TMI.

Os voluntários foram encorajados à realizar a maior força (Se animó a los voluntarios a hacer la mayor fuerza) capaz de ser sustentada durante a inspiração. A manobra inicia com uma expiração profunda, até próximo o (hasta cerca del) volume residual, e prossegue com a (y seguir con la) inspiração máxima, contra uma via ocluída por um pequeno orifício de 2 mm permitindo um pequeno escape de ar (escape de aire). A maior pressão negativa capaz de ser sustentada por, pelo (sostenida por al) menos, 1 segundo foi considerada como sendo a PImáx. Foram realizadas no mínimo cinco manobras ou até que dois dos maiores valores não tivessem mais do (o hasta que dos de los valores más elevados no tuvieran más) que 10% de diferença entre elas. O protocolo de avaliação foi realizada conforme descrito anteriormente e foi dado um (y se le dio un) intervalo de um minuto entre cada tentativa.28 Os resultados foram comparados aos valores preditos pelas equações propostas (los valores predichos por las ecuaciones propuestas) por Neder e col.29


Avaliação do controle autonômico

O controle autonômico foi avaliado a partir da análise da VFC. Para tanto, o (Para esto, el) registro da FC foi realizado em supino e com a cabeceira da maca (en decúbito supino y con la cabecera de la camilla) elevada a 45° de inclinação durante a aquisição do sinal (adquisición de la señal). Os voluntários foram orientados a permanecer calmos, tranquilos e o mais imóvel (y lo más inmóviles) possível durante toda a aquisição. Após um breve período de repouso (Luego de um corto período de reposo) para estabilização da FC (20 minutos).

O monitor cardíaco da marca Polar® modelo RS800CX (Polar Electro öy, Kempele, Finland) foi utilizado na coleta (se usó para la recolección) da FC. Os intervalos RR foram analisados no domínio do tempo e da frequência pelo (analizados en el dominio del tiempo y la frecuencia por el) software Kubios HRV (University of Kuopio, Kuopio, Finland).

No domínio do tempo as variáveis utilizadas na análise foram: o desvio padrão de intervalos RR normais (SDNN), a raiz quadrada da média da soma das diferenças (del promedio de la suma de las diferencias) entre os intervalos normais adjacentes ao quadrado (adyacentes al cuadrado) (RMSSD), a porcentagem da diferença entre intervalos RR normais adjacentes que excedam 50 milissegundos (PNN50) e para o valor da (y para el valor de la) diferença entre intervalos RR normais adjacentes que excedam 50 milissegundos (NN50).30

No domínio da frequência foi utilizada a transformação rápida de Fourier para determinar a VFC com base no poder (sobre la base del poder) espectral em duas frequências distintas; alta frequência (high-frequency [HF]) de 0.15-0.4 Hz e baixa (y baja) frequência (low-frequency [LF]) com banda de 0.04-0.15 Hz. Os resultados foram expressos em valores normalizados (nu), onde a força individual de um espectro é dividida pela (donde la fuerza individual de un espectro se divide por la) força total, diminuída do VLF e multiplicada por 100 resultando nas varáveis LF(nu) e HF(nu). O balanço autonômico foi calculado através da razão (El balance autónomico se calculó como la relación) entre LF(nu) e HF(nu) (LF/HF).30


Treinamento muscular inspiratório

O TMI foi realizado em um dispositivo pressórico linear Powerbreathe® (POWERbreathe; HaB International Ltd, Southam, UK). O uso de um (El uso de un) oclusor nasal garantiu o uso (garantizó el uso) exclusivo da ventilação oral através do bucal do (por la parte bucal del) equipamento. A sessão de treinamento foi realizada com o indivíduo deitado em decúbito dorsal e com cabeceira elevada em (acostado en decúbito dorsal y con la cabecera alta con) aproximadamente 45° de inclinação. Em cada uma das duas sessões, a resistência do aparelho foi ajustada (del equipo se ajustó) para garantir 30%, ou 60% da PImáx registrada na avaliação inicial. A sobrecarga utilizada na primeira sessão foi aleatoriamente definida conforme descrito previamente. Os voluntários foram instruídos a manter a respiração profunda e (para mantener la respiración profunda) diafragmática. Ciclos de 30 repetições foram executados al longo (se ejecutaron a lo largo) de 15 minutos de treinamento por sessão.


Análise estatística

O teste de Shapiro-Willks foi utilizado para verificar a normalidade dos dados e o teste de (de los datos y la prueba de) Kolmogorov-Smirnov para comprovar a concordância entre as distribuições dos dados. Os dados com distribuição normal foram apresentados como média e desvio padrão da média. A comparação entre os diferentes sobrecargas nos diferentes tempos de análise forma realizadas pela ANOVA para medidas repetidas de duas vias (de dos vías). Violações de esfericidade foram analisadas através do teste (Se analizaron las violaciónes de esfericidad mediante la prueba) de esfericidade de Mauchly e corrigidas, quando necessário, pelo teste (cuando fue necesario, por la prueba) de Greenhouse-Geisser. As comparações múltiplas foram feitas (Las comparaciones múltiples se hicieron) através do teste de Bonferroni. Para os dados não paramétricos aplicou o teste de Friedman. As comparações múltiplas foram realizadas pelo teste de Wilcoxon Signed Rank, aplicando uma correção de Bonferroni no nível de significância adotado. Utilizou-se o software SPSS, versão 19.0 e o ponto de corte (y el punto de corte) utilizado para determinação de diferença estatística foi de p < 0.05.


Resultados

Foram entrevistados setenta indivíduos, dos quais vinte e três preencheram os (de los cuales veintitrés reunieron los) critérios de elegibilidade, mas apenas dezenove (pero sólo diecinueve) completaram o estudo, conforme mostra o (muestra el) fluxograma (Figura 1). Os dados clínicos são (Los datos clínicos están) apresentados na Tabela 1, e conforme descrito, os valores da força máxima dos (de la fuerza máxima de los) músculos inspiratórios estão dentro da normalidade.












As análises realizadas no domínio do tempo demonstraram que agudamente a sobrecarga a 60% da PImáx reduziu, de modo significativo, apenas a variabilidade dos intervalos RR (-7%). As demais variáveis estudadas (SDNN, RMSSD, NN50 e PNN50) não apresentaram alterações (no presentaron alteraciones) significativas (Tabela 2). Por outro lado, no domínio da (en el dominio de la) frequência, o TMI à 60% da PImáx induziu, agudamente, aumento de 63% no LF(nu), redução de 44% no HF(nu) e, consequentemente, aumento de 150% no balanço autonômico (en el balance autonómico) (LF/HF), conforme a Figura 2 A-C.


Tabela 2








Na fase subaguda, a sobrecarga de 60% da PImáx não modificou significativamente as variáveis da VFC no domínio do tempo, mas no (en el dominio del tiempo, pero en el) domínio da frequência o comportamento observado na fase aguda se repetiu e (se repitió y) LF(nu) permanecu elevado (+58%), assim como HF(nu) se manteve reduzido (se mantuvo reducido) (-41%) e o LF/HF aumentado (+200%). Porém, 24 horas após a sessão, todas as (Sin embargo, 24 horas luego de la sesión, todas las) alterações provocadas pelo TMI à 60% da PImáx, deixaram de se (han dejado de) manifestar conforme ilustrado na Figura 2 A, B e C.

Ao comparar o efeito das duas (Cuando se comparó el efecto de las dos) sobrecargas utilizadas no TMI, observou-se que, à 60% da PImáx a VFC no domínio do tempo (RR) foi 5% maior no (fue 5% mayor en el) período subagudo (p = 0.04), enquanto que o PNN50 foi 11% maior (p < 0.001) na fase aguda e 25% maior (p = 0.006) na fase subaguda (Tabela 2). No domínio da (En el dominio de la) frequência tanto o LF(nu) quanto o HF(nu) demonstraram, em ambas as fases agudas e subagudas, o comportamento tipicamente observado nas relações do tipo dose efeito (en las relaciones del tipo dosis-efecto), conforme ilustrado na Figura 2 A e B. Porém, o aumento no balanço (Sin embargo, el aumento del balance) autonômico (LF/HF), foi a superior na sobrecarga de 60% da PImáx apenas na fase aguda (Figura 2C).
A FC aumentou significativamente 22% e 17% na fase aguda do TMI para ambas sobrecargas (30% e 60% da PImáx, respectivamente). Na fase subaguda, a FC reduziu significativamente 17% e 16% (30% e 60% da PImáx, respectivamente) em relação ao pico observado na fase (respecto del pico que se observó en la etapa) aguda (Figura 3). Nos demais (En los demás) momentos tanto a FC quanto a PA não sofreram alterações (no presentaron alteraciones) significativas.






Discussão

Até o momento esse foi o primeiro ensaio clínico descrito na (Hasta la fecha, este fue el primer ensayo clínico descrito en la) literatura que descreveu o efeito agudo, subagudo e tardio de diferentes intensidades de sobrecarga de TMI sobre os parâmetros da VFC de indivíduos jovens, saudáveis e (sanos y) sedentários. Nossos resultados confirmaram a hipótese de que a sobrecarga dos músculos inspiratórios altera a modulação do SNA cardiovascular de forma dependente da intensidade (60% da PImáx.).

Inicialmente, o TMI foi amplamente descrito como uma ferramenta útil para a reabilitação da fraqueza dos (de la debilidad de los) músculos inspiratórios, definida como PImáx inferior à 70% do previsto para a idade, sexo, altura e origem.27-29 Durante muito tempo, postulou-se que a resistência mais (se consideró que la resistencia más) indicada para o TMI de indivíduos com fraqueza muscular deveria ser de 30% da PImáx, pois com essa sobrecarga havia baixo risco de indução (ya que con esta sobrecarga había bajo riesgo de inducción) de fadiga.20

De fato, nossos resultados apontam pra essa direção, pois em nenhuma das fases (De hecho, nuestros resultados apuntan a esa dirección, porque en ninguna de las etapas) estudas observou-se modificações expressivas na FC, PA e marcadores da modulação autonômica da VFC após uma sessão de TMI à 30% da PImáx. Porém, seria um erro (Sin embargo, sería un error) extrapolar esses resultados para situações onde há, de fato (donde hay de hecho), fraqueza muscular. Vale ressaltar que a população estudada nesse ensaio clínico foi composta por jovens, saudáveis e com força muscular dentro dos valores previstos (Tabela 1). Isso implica dizer que, dependo das (Esto implica que, dependiendo de las) condições de saúde, sobrecargas consideradas baixas podem provocar perturbações hemodinâmicas conforme demonstrados em vários estudos realizados com portadores de DPOC e IC, por exemplo.4,5,8-11

Mais recentemente, o TMI tem sido (ha sido) utilizado como parte do treinamento de indivíduos saudáveis assim como de atletas.7 Porém, nessa população, o (Sin embargo, en esta población, el) percentual de sobrecargas supera facilmente os 30% da PImáx, pois o risco de descompensação hemodinâmica e respiratória registrado nessa população é muito pequeno (es muy pequeño).6-20 Além disso, os efeitos do treinamento só se manifestam quando a (Además, los efectos del entrenamiento sólo se manifiestan cuando la) sobrecarrega muscular for suficientemente alta para promover as adaptações fisiológicas desejadas (las adaptaciones fisiológicas deseadas).7-37 De fato, conforme demonstrado no trabalho publicado por Enright et al.,6 a melhora da capacidade de trabalho e da (la mejora de la capacidad de trabajo y de la) potência de indivíduos jovens e saudáveis submetidos a diferentes sobrecargas de TMI ocorreu apenas quando a (sucedió sólo cuando la) carga utilizada ultrapassou 60% da PImáx.

Em conjunto, nossos resultados confirmam os achados (los hallazgos) publicados previamente na literatura e reforçam a existência da relação (y refuerzan la existencia de una relación) entre magnitude da sobrecarga e detecção de perturbação homeostática. Esse tipo de comportamento é conhecido como efeito dose dependente e pode, conforme ilustrado nas Figuras 2, ser avaliado através da (ser evaluado a través de la) VFC. A intricada interação das funções da bomba ventilatória e circulatória alimentam diferentes alças de retroalimentação que ajustam (asas de retroalimentación que se ajustan) a ventilação minuto (VE) e o débito cardíaco (DC) dentro de um amplo espectro de variação da taxa (de la tasa) metabólica, conforme descrito por Bernardi et al.15 O SNA participa de boa parte das ações (buena parte de las acciones) que modulam as respostas cardiorrespiratória induzidas pelo esforço físico e pode (por esfuerzo físico y puede), conforme demonstrado nesse trabalho, ser avaliado através da VFC. Esse método de investigação do SNA já está bastante estabelecido na (ya se encuentra bastante establecido en la) literatura e constitui, cada vez mais, uma importante fonte de informação para o estudo dos efeitos (para el estudio de los efectos) fisiológicos promovido pelo treinamento e/ou reabilitação física.9-12

A atividade nervosa simpática medida na musculatura periférica aumenta com o trabalho isolado dos (el trabajo aislado de los) músculos inspiratórios de maneira tempo e intensidade dependente,21,36,37 demonstrando que, a sobrecarga específica desses músculos ventilatórios pode alterar o SNA de forma similar ao que ocorre (a lo que sucede) durante uma atividade física direcionada apenas para os (sólo para los) músculos estriados periféricos.30 Essas respostas são extremamente rápidas e ocorrem em curtos (y suceden en cortos) períodos de tempo (oito a dez (ocho a diez) minutos).21,36,37 Interessantemente, quanto maior a perturbação autonômica, maior será o período de tempo necessário para que os valores retornem aos níveis basais (vuelvan a los niveles basales). Postula-se que a fadiga dos (Se considera que la fatiga de los) músculos inspiratórios teria participação direta no tempo (tendría participación directa en el tiempo) total de recuperação da atividade nervosa simpática muscular e reestabelecimento da resistência vascular periférica (RVP).17,36,37

Existe indícios de que a fadiga dos músculos inspiratórios ocorra em respostas ao efeito (en respuestas al efecto) vasoconstritor simpático.36,37 Muitos autores justificam esses achados pelo (estos hallazgos por el) mecanismo do metaborreflexo muscular.17,36,37 O desenho experimental do nosso (El diseño experimental de nuestro) estudo não permitir inferir a participação do metaborreflexo, entretanto, é possível hipotetizar que tal mecanismo se manifeste através da ativação simpática e retirada vagal induzidos (activación simpática y retirada vagal inducidos) principalmente quando a sobrecarga ventilatória foi maior (60% PImáx).

Em paralelo à redução da VFC no domínio do tempo (intervalos RR) houve aumento da modulação simpática, evidenciada nesse estudo pela análise da (destacada en ese estudio por el análisis de la) VFC no domínio da frequência através da variável LF(nu) e redução na modulação parassimpática HF(nu) resultando em deslocamento do balanço (en desplazamiento del balance) simpato/vagal em direção ao (al) predomínio simpático. A elevação da FC observada 10 minutos após o (luego del) término do TMI (fase aguda) é outro (constituye otro) indício de perturbação da homeostasia e ativação do SNA. Porém, o uso (Sin embargo, el uso) exclusivo da musculatura inspiratória não alterou os valores de pressão arterial sistólica e diastólica em nenhum dos (en ninguno de los) momentos estudados. Um dado interessante é que a FC aumentou significativamente para ambas as sobrecargas (30% e 60% da PImáx) diferentemente do que se observou na análise da VFC, onde as alterações foram significantes apenas na maior sobrecarga.

Durante o TMI ocorrem mudanças complexas na dinâmica do (se producen cambios complejos en la dinámica del) funcionamento das bombas ventilatória e circulatória. Talvez, a principal alteração que envolva ambas as bombas, seja a (involucra ambas bombas es la) redução adicional da pressão negativa no interior da caixa (en el interior de la caja) torácica, gerada (generada) durante a tentativa da musculatura em vencer a resistência inspiratória imposta pelo equipamento utilizado no TMI. É possível inferir que tal oscilação pressórica seja transmitida a todas as (se transmite a todas las) estruturas alojadas no interior do tórax, mas é (pero es) esperado também que um reflexo dessa alteração seja percebido nas demais (sea percibido en las demás) regiões do corpo em função do aumento do (del aumento del) retorno venoso,15,38 no volume de ar (de aire) corrente, no volume de reserva inspiratório e expiratório,6,17,19,32,36 que em conjunto podem ativar os (pueden activar los) barorreceptores e quimiorreceptores dos músculos diafragma e intercostais.15

Por isso, é (Es por lo tanto) possível que parte do mecanismo envolvido nas (involucrado en las) alterações autonômicas identificadas através da VFC estejam relacionados aos mecanorreceptores e ao metaborreflexo, ativados por deformação mecânica, distensão venosa e acúmulo de metabólitos.17 O processamento central das informações geradas nas oscilações pressóricas do interior da caixa (oscilaciones de presión en el interior de la caja) torácica, ajusta a atividade sináptica dos neurônios espinhais nas áreas medulares vasomotoras ativando o sistema simpático e inibindo o (e inhibiendo el) sistema parassimpático (tônus vagal)9 para adaptar o coração e o metabolismo ao esforço e trabalho (al esfuerzo y trabajo) que está sendo realizado pelo organismo.15,37
Não há duvida de que o (No queda duda de que el) TMI com alta intensidade perturbe a homeostasia e exija do SNA respostas imediatas para adaptar o sistema cardiovascular ao aumento na demanda metabólica. Porém, não podemos afirmar que isso deva ocorrer apenas mediante o uso de cargas elevadas, pois em (ya que en) hipertensos12 e em portadores de insuficiência cardíaca14 o TMI realizado diariamente com 30% da PImáx resultou aumento da PImáx, diminuição na modulação simpática, bem como (así como), aumento na modulação parassimpática de repouso (de reposo). Esses resultados demonstram que a adaptação e a melhora dos sistemas também podem ocorrer em cargas baixas, muito (pueden suceder con cargas bajas, muy) provavelmente, em função das condições gerais de saúde (de las condiciones generales de salud).

Em diabéticos, por exemplo, oito (ocho) semanas de TMI a 30% da PImáx aumentou a PImáx, mas a VFC não sofreu (no presentó) adaptações significativas.33 Resultados semelhantes obteve Laoutaris e col.,18 em pacientes com insuficiência cardíaca submetidos ao TMI com 60% da PImáx. Esse paradoxo (Esta paradoja) entre sobrecarga de treinamento e resposta autonômica reflete a complexidade dos distúrbios envolvidos nos (refleja la complejidad de los trastornos implicados en los) processos patológicos e merecem, por essa razão, estudos específicos para tais condições de saúde/doença.
Por outro lado, em indivíduos saudáveis e ativos, observou-se que a carga de 60% da PImáx trouxe mudanças na (trajo cambios en la) FC, PA, fluxo sanguíneo e RVP.13,19 Archiza e col.34 também avaliaram o controle autonômico de indivíduos saudáveis e idosos e (y personas mayores) utilizaram diferentes sobrecargas de TMI (30%, 60% e 80% PImáx). Os resultados descritos foram semelhante aos nossos achados, e houve (a nuestros hallazgos y hubo) significativa redução na modulação parassimpática à 80% da PImáx.34

Assim, o TMI com alta intensidade pode melhorar a força e a endurance dos (puede mejorar la fuerza y la resistencia de los) músculos ventilatórios10 além de promover adaptações autonômicas centrais e periféricas.19,21,36 Porém, não podemos afirmar no momento, o mecanismo responsável por tais benefícios, pois dentre as (ya que entre las) limitações deste estudo estão a ausência de monitoramento da oscilação pressórica no interior da caixa torácica, ausência da avaliação da função pulmonar e ausência de monitoramento do metabororreflexo e do quimiorreflexo, que juntos poderiam identificar o mecanismo responsável pelos ajustes no controle autonômico promovidos em decorrência do (promovidos como resultado del) TMI. Além disso, a VFC é um método indireto de avaliação do sistema nervoso simpático e parassimpático que, portanto, é suscetível à falhas de mensuração (es susceptible a los fallos de medición).

Apesar disso, o conhecimento estabelecido nesse trabalho (el conocimiento establecido en este trabajo) pode contribuir no entendimento de um dos mecanismos de ação do (uno de los mecanismos de acción del) treinamento muscular inspiratório, bem como, auxiliar na otimização de tratamentos que visem o desfecho relacionado ao (dirigidos al resultado final relacionado con el) SNA, no entanto, mais estudos são necessários.



Conclusão

O efeito agudo do TMI sobre a modulação autonômica do sistema cardiovascular de indivíduos jovens e saudáveis foi maior a 60% da PImáx que 30% PImáx. Portanto, conclui-se que o TMI com diferentes sobrecargas de trabalho altera a modulação do SNA de forma dependente da intensidade utilizada.


Bibliografía del artículo
1. Lee D-C e col. Comparisons of leisure-time physical activity and cardiorespiratory fitness as predictors of all-cause mortality in men and women. Br J Sports Med 45:504-10, 2011.
2. Dutra SG, Pereira AP, Tezini GC, Mazon JH, Martins-Pinge MC, Souza HC. Cardiac autonomic modulation is determined by gender and is independent of aerobic physical capacity in healthy subjects. PLoS One 8(10):e77092, 2013.
3. Gamelin FX, Berthoin S, Sayah H, Libersa C, Bosquet L. Effect of training and detraining on heart rate variability in healthy young men. Int J Sports Med 28:564-70, 2007.
4. De Andrade AD e col. Inspiratory muscular activation during threshold therapy in elderly healthy and patients with COPD. J Electromyogr Kinesiol 15(6):631-9, 2005.
5. Dall'Ago P, Chiappa GRS, Guths H, Stein R, Ribeiro JP.Inspiratory muscle training in patients with heart failure and inspiratory muscle weakness. JACC 47(4):757-63, 2006.
6. Enright SJ, Unnithan VB. Effect of inspiratory muscle training intensities on pulmonary function and work capacity in people who are healthy: A randomized controlled trial. Phys Ther (91):894-05, 2011.
7. Illi SK, Held U, Frank I, Spengler CM. Effect of respiratory muscle training on exercise performance in healthy individuals: a systematic review and meta-analysis. Sports Med 42 (8):707-24, 2012.
8. Cahalin LP, Arena R, Guazzi M, Myers J, Cipriano G, Chiappa G. et al. Inspiratory muscle training in heart disease and heart failure: a review of the literature with a focus on method of training and outcomes. Rev Cardiovasc Ther 11(2):161-76, 2013.
9. Downey AE, Chenoweth LM, Townsend DK, Ranum JD, Ferguson CS, Harms CA. Effects of inspiratory muscle training on exercise responses in normoxia and hypoxia. Respir Physiol Neurobiol 156(2):137-462, 2007.
10. Marco E, Ramírez-Sarmiento AL, Coloma A, Sartor M, Comin-Colet J, Vila J, et al. High-intensity vs. sham inspiratory muscle training in patients with chronic. heart failure: a prospective randomized trial. Eur J Heart Fail 15(3):2-10, 2013.
11. Plentz RDM, Sbruzzi G, Ribeiro RA, Ferreira JB, Dall'Ago P. Treinamento muscular inspiratório em pacientes com insuficiência cardíaca: metanálise de estudos randomizados. Arq Bras Cardiol 99(2):762-71, 2012.
12. Ferreira JB, Plentz RDM, Stein C, Casali KR, Dall'Ago. Inspiratory muscle training reduces blood pressure and sympathetic activity in hypertensive patients: A randomized controlled trial. Int J Cardiol 166(1): 1-7, 2011.
13. Callegaro CC, Ribeiro JP, Tan CO, Taylor JA. Attenuated inspiratory muscle metaboreflex in endurance-trained individuals. Respir Physiol Neurobiol 177(1):24-9, 2011.
14. Mello PR, Guerra GM, Borile S, Rondon MU, Alves MJ, Negrão CE, et al. Inspiratory muscle training reduces sympathetic nervous activity and improves inspiratory muscle weakness and quality of life in patients with chronic heart failure: a clinical trial. J Cardiopulm Rehabil Prev 32(5):255-61, 2012.
15. Bernardi L, Porta C, Gabutti A, Spicuzza L, Sleight P. Modulatory effects of respiration. Autonomic Neuroscience: Basic and Clinical. (90):47-56, 2001.
16. Vanderlei LCM, Pastre CM, Hoshi RA,Carvalho TD, Godoy MF. Noções básicas de variabilidade da frequência cardíaca e sua aplicabilidade clínica. Rev Bras Cir Cardiovasc 24(2):205-17, 2009.
17. Dempsey JA, Sheel AW, Croix CMS, Morgan BJ. Respiratory influences on sympathetic vasomotor outflow in humans. Respir Physiol e Neurobiol (130):3-20, 2002.
18. Laoutaris ID, Dritsas A, Brown MD, Manginas A, Kallistratos MS, Chaidaroglou A, et al. Effects of inspiratory muscle training on autonomic activity, endothelial vasodilator function, and N-terminal pro-brain natriuretic peptide levels in chronic heart failure. J Cardiopulm Rehabil Prev 28(2):99-6, 2008.
19. Mcconnell AK, Griffiths LA. Acute cardiorespiratory responses to inspiratory pressure threshold loading. Med SCi Sports Exerc 42(9):1696-03, 2010.
20. Janssens L, Brumagne S, McConnell AK, Raymaekers J, Goossens N, Gayan-Ramirez G, Hermans G, Troosters T. The assessment of inspiratory muscle fatigue in healthy individuals: a systematic review. Respir Med 107(3):331-46, 2013.
21. St Croix CM, Morgan BJ, Wetter TJ, Dempsey JA. Fatiguing inspiratory muscle work causes re?ex sympathetic activation in humans. J Physiol (529):493-04, 2000.
22. Chiappa GR, et al. Inspiratory muscle training improves blood flow to resting and exercising limbs in patients with chronic heart failure. J Am Coll Cardiol 51(17):1663-71, 2008.
23. Serón P, Riedemann P, Muñoz S, Doussoulin A, Villarroel P, Cea X. Effect of training on muscle strength and quality of life in patients with chronic airflow limitation:a randomized controlled trial. Arch Bronconeumol 41(11):601-06, 2005.
24. Beckerman M, Magadle R,Weiner M, Weiner P. The effects of 1 year of specific inspiratory muscle training in patients with COPD. Chest 128(5):3177-82, 2005.
25. Bosquet L, Gamelin F-X, Berthoin S. Is aerobic endurance a determinant of cardiac autonomic regulation? Eur J Appl Physiol 100:363-69, 2007.
26. Sloan RP, Shapiro PA, DeMeersman RE, Bagiella E, Brondolo EN e col. The effect of aerobic training and cardiac autonomic regulation in young adults. Am J Public Health 99:921-28, 2009.
27. Black LF, Hyatt RE. Maximal respiratory pressures: normal values and relationship to age and sex. Am Rev Respir Dis 99(5):696-02, 1969.
28. Costa D, Gonçalves HA, Lima LP, Ike D, Cancelliero KM, Montebelo MIL. Novos valores de referência para pressões respiratórias máximas na população brasileira. J Bras Pneumol 36(3):306-12, 2010.
29. Neder JÁ, e col. Reference values for lung function tests. II. Maximal respiratory pressures and voluntary ventilation. Braz J Med Biol Res 32(6):719-27, 1999.
30. Casties JF, Mottet D, Le Gallais D. Non-linear analyses of heart rate variability during heavy exercise and recovery in cyclists. Int J Sports Med 27(10):780-5, 2006.
31. Bernardi L, Passino C, Serebrovskaya Z, Serebrovskaya T, Appenzeller O. Respiratory and cardiovascular adaptations to progressive hypoxia: Effect of interval hypoxic training. Eur Heart J 22(10):879-86, 2001.
32. Bernardi L, Valle F, Coco M, Calciati A, Sleight P. Physical activity influences heart rate variability and very-low-frequency components in Holter electrocardiograms. Cardiovasc Res 32(2):234-7, 1996.
33. Corrêa AP, Ribeiro JP, Balzan FM, Mundstock L, Ferlin EL, Moraes RS. Inspiratory muscle training in type 2 diabetes with inspiratory muscle weakness. Med Sci Sports Exerc 43(7):1135-41, 2011.
34. Archiza B, Simões RP, Mendes RG, Fregonezi GA, Catai AM, Borghi-Silva A. Acute effects of different inspiratory resistive loading on heart rate variability in healthy elderly patients. Braz J Phys Ther 17(4):401-8, 2013.
35. Perini R, Veicsteinas A. Heart rate variability and autonomic activity at rest and during exercise in various physiological conditions. Eur J Appl Physiol 90(3-4):317-25, 2003.
36. Sheel AW, Derchak PA, Morgan BJ, Pegelow DF, Jacques AJ, Dempsey JA. Fatiguing inspiratory muscle work causes reflex reduction in resting leg blood flow in humans. J Physiol 537(1):277-89, 2001.
37. Romer LM, Polkey MI. Exercise-induced respiratory muscle fatigue: implications for performance. J Appl Physiol (104):879-88, 2008.
38. Schaffer T, Hensel B, Weigand C, Schüttler J, Jeleazcov C. Evaluation of techniques for estimating the power spectral density of RR-intervals under paced respiration conditions. J Clin Monit Comput 27(1):1-6, 2013.
© Está  expresamente prohibida la redistribución y la redifusión de todo o parte de los  contenidos de la Sociedad Iberoamericana de Información Científica (SIIC) S.A. sin  previo y expreso consentimiento de SIIC

anterior.gif (1015 bytes)

 


Bienvenidos a siicsalud
Acerca de SIIC Estructura de SIIC


Sociedad Iberoamericana de Información Científica (SIIC)
Arias 2624, (C1429DXT), Buenos Aires, Argentina atencionallector@siicsalud.com;  Tel: +54 11 4702-1011 / 4702-3911 / 4702-3917
Casilla de Correo 2568, (C1000WAZ) Correo Central, Buenos Aires.
Copyright siicsalud© 1997-2021, Sociedad Iberoamericana de Información Científica(SIIC)