siiclogo2c.gif (4671 bytes)

ASSOCIAÇÃO DO (ASOCIACIÓN ENTRE EL) ESTADO NUTRICIONAL COM A QUALIDADE (Y LA CALIDAD) DE VIDA DE PACIENTES ONCOLÓGICOS EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO
(especial para SIIC © Derechos reservados)
32822.03.16_institucionlogo.jpg Autor:
Ítala Farias Cronemberger
Columnista Experta de SIIC

Institución:
Hospital das Clínicas de Pernambuco

Artículos publicados por Ítala Farias Cronemberger 
Coautores
Liliane Alexandre de Souza* Ilanna Marques Gomes da Rocha** Marcella Campos Lima da Luz* Cláudia Sabino Pinho* 
Nutricionista, Hospital das Clínicas de Pernambuco, recife, Brasil*
Nutricionista, Hospital da Clínicas de Pernambuco, recife, Brasil**

Recepción del artículo: 21 de marzo, 2016

Aprobación: 21 de junio, 2016

Primera edición: 7 de junio, 2021

Segunda edición, ampliada y corregida 7 de junio, 2021

Conclusión breve
Os números de novos casos de câncer vêm aumentando ao longo dos anos, fazendo com que esta doença esteja entre uma das mais (La cantidad de nuevos casos de cáncer aumentó a lo largo de los años, provocando que esta enfermedad se encuentre entre una de las más) prevalentes no (en el) mundo.

Resumen

Introdução: Os números de novos casos de câncer vêm aumentando ao longo dos anos (La cantidad de nuevos casos de cáncer está aumentando a lo largo de los años) , fazendo com que esta doença esteja entre uma das mais prevalentes no (provocando que esta enfermedad sea una de las más prevalentes en el) mundo. Estudos evidenciam que a qualidade de vida dos pacientes oncológicos está prejudicada e que há associação (está deteriorada y que existe una asociación) entre desnutrição e redução da qualidade de vida (QV). Objetivo: Verificar a associação do estado nutricional com a qualidade de vida de pacientes oncológicos em tratamento quimioterápico. Métodos: Estudo transversal envolvendo 45 pacientes oncológicos captados do serviço ambulatorial de quimioterapia de um hospital universitário localizado no Nordeste brasileiro. Foram avaliadas (Fueron evaluadas) medidas antropométricas e a QV, a partir da aplicação do Quality of life Questionnaire. Resultados: Observou-se elevado percentual de desnutrição, variando de 15.6%, segundo o (según el) índice de massa corporal, a 43.9%, segundo a circunferência muscular do braço (del brazo) . Foi verificada uma pontuação mediana de 50.0 (Q1 = 41.7; Q3 = 50.0) para a escala de estado geral de QV. Não foram observadas importantes correlações entre os estado nutricional e os escores (puntajes) de QV. Apenas escala de desempenho cognitivo apresentou correlação inversa com a prega cutânea tricipital (el pliegue cutáneo del tríceps) (PCT) (p = 0.033) e circunferência do braço (p = 0.011). Em relação à escala de sintomas, a diarréia se correlacionou diretamente a PCT (p = 0.025). Conclusão: Verificou-se comprometimento da (compromiso de la) QV no aspecto de saúde global. Embora muitos estudos demonstrem associação entre a desnutrição e baixa (Aunque muchos estudios demuestren la asociación entre desnutrición y baja) QV, essa relação não foi evidenciada nessa (no fue probada en esta) investigação.

Palabras clave
cáncer, calidad de vida, estado nutricional, desnutrición, quimioterapia

Clasificación en siicsalud
Artículos originales> Expertos del Mundo>
página www.siicsalud.com/des/expertos.php/150436

Especialidades
Principal: NutriciónOncología
Relacionadas: Atención PrimariaEducación Médica

Enviar correspondencia a:
Ítala Farias Cronemberger, 50670-420, Recife, Brasil

Association between nutritional status and quality of life in cancer patients undergoing chemotherapy

Abstract
Introduction: The number of new cancer cases has increased over the years, placing this disease among the most prevalent worldwide. Studies show that the quality of life of cancer patients is impaired and that there is an association between malnutrition and reduced quality of life (QoL). Objective: To investigate the association between nutritional status and quality of life of cancer patients undergoing chemotherapy. Methods: Cross-sectional study involving 45 cancer patients from the outpatient chemotherapy service at a university hospital in Northeast Brazil. Anthropometric measurements and QoL were assessed by applying the Quality of Life Questionnaire. Results: There was a high percentage of malnutrition, ranging from 15.6% according to body mass index, to 43.9%, according to the muscular circumference of the arm. Median score was verified at 50.0 (Q1 = 41.7; Q3, 50.0) on the scale of general QoL. There were no significant correlations between nutritional status and QoL scores. Only the cognitive performance scale showed inverse correlation with triceps skinfold (TSF) (p = 0.033) and arm circumference (p = 0.011). Regarding the level of symptoms, diarrhea correlated directly with PCT (p = 0.025). Conclusion: There was impairment of QoL in the aspect of overall health. Although many studies have shown association between malnutrition and low QoL, this relationship was not observed in this investigation.


Key words
cancer, quality of life, nutritional status, malnutrition, chemotherapy

ASSOCIAÇÃO DO (ASOCIACIÓN ENTRE EL) ESTADO NUTRICIONAL COM A QUALIDADE (Y LA CALIDAD) DE VIDA DE PACIENTES ONCOLÓGICOS EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO

(especial para SIIC © Derechos reservados)

Artículo completo
Introdução
Câncer é o nome dado a um (Cáncer es el nombre dado a un) conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o (enfermedades que tienen en común el) crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (los tejidos y órganos, y pueden propagarse) (metástase) para outras regiões do corpo (del cuerpo).1 No Brasil, estimativas para o ano (En Brasil, las estimaciones para el año) de 2016 indicam a ocorrência de (la aparición de) aproximadamente 596 000 casos, incluindo os casos de câncer de pele não (incluyendo los casos de cáncer de piel no) melanoma, reforçando a magnitude do problema do câncer no país (del cáncer en el país).2
Os sinais e sintomas mais (Los signos y síntomas más) prevalentes da doença são: perda de peso (pérdida de peso) progressiva, anemia, anorexia, dor (dolor), náuseas, vômitos e fadiga (y fatiga).3 O tratamento clássico do câncer pode ser feito (puede ser realizado) através de cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou transplante de medula óssea, às vezes, sendo necessária mais de uma (a veces se necesita más de una) modalidade.4
Estudos evidenciam ligação direta (muestran un vínculo directo) entre o tratamento quimioterápico e o aparecimento de efeitos colaterais (y la aparición de efectos secundarios) adversos, como fadiga, náuseas e vômitos, alterações na função intestinal, paladar e/ou olfato, mucosites, ocorrendo também mudança nos (también hay cambios en los) hábitos alimentares, maior tempo (mayor tiempo) de internação hospitalar e redução na qualidade de vida (QV) (reducción en la calidad de vida [CV]).3,5,6
Nas duas (En las dos) últimas décadas, a QV dos pacientes tornou-se importante no campo da (se volvió importante en el campo de la) nutrição e oncologia. A Organização Européia para a Pesquisa e Tratamento do Câncer (EORTC) criou um questionário validado específico para pacientes oncológicos que mede a QV e a (mide la CV y la) relaciona com saúde.7 A avaliação da (La evaluación de la) QV em pacientes com câncer é importante para prover informação relacionada às decisões (con las decisiones) de tratamento, monitorar os sintomas da doença, os efeitos colaterais não desejados e (los efectos secundarios no deseados y) indicar intervenções que melhorem o bem-estar do (mejoren el bienestar del) paciente.8
Malihi et al.9 encontraram que sintomas mecânicos, físicos e psicológicos, ocasionados pela (por la) quimioterapia, incluindo anorexia, náuseas, boca seca e escalas funcionais diminuídas resultaram na deterioração da (en deterioro de la) QV global em pacientes com leucemia. Verifica-se assim que a (De esta manera se comprueba la) interação entre os fatores relacionados ao estado nutricional e os relacionados à própria doença e seu (y aquellos relacionados con la propia enfermedad y su) tratamento representam uma combinação que pode influenciar diretamente a QV do paciente oncológico.5
O objetivo do presente estudo foi verificar a (El objetivo de este estudio fue verificar la) associação do estado nutricional com a qualidade de vida de pacientes oncológicos em tratamento quimioterápico.

Métodos
Estudo transversal, observacional, desenvolvido no (desarrollado en el) período de março a agosto de 2015, em um hospital universitário de Pernambuco, envolvendo (involucrando) pacientes em tratamento quimioterápico.
Foram incluídos indivíduos adultos e idosos, com idade (y ancianos, con edad) entre 18 e 60 anos, de ambos os sexos, em regime (de ambos sexos, en régimen) terapêutico quimioterápico, a partir do segundo ciclo de quimioterapia. Foram considerados inelegíveis os (inelegibles los) pacientes iniciantes no tratamento, aqueles fora (aquellos afuera) de possibilidade terapêutica e os que não estivessem em condições (y los que no estuviesen en condiciones) para ser realizada avaliação antropométrica, como: presença de edema, amputação de membros e dificuldade para deambular (y dificultad para caminar). Também foram considerados inelegíveis os pacientes que apresentassem doenças consumptivas associadas (enfermedades consuntivas asociadas) (como HIV-AIDS, insuficiência cardíaca, doença renal crônica em tratamento dialítico [enfermedad renal crónica en diálisis], etc).
Para determinar o tamanho da amostra, foi considerada a prevalência de (el tamaño de la muestra, se consideró la prevalencia de) desnutrição em pacientes oncológicos de 40%.10 Tomando como base o número de indivíduos cadastrados no serviço (registrados en el servicio) de quimioterapia (220 pacientes), uma precisão de 5% e um intervalo de confiança de 95%, totalizando uma amostra mínima de 42 pacientes. Os indivíduos foram selecionados por conveniência, a partir do preenchimento dos (del cumplimiento de los) critérios de elegibilidade.
Foram avaliadas variáveis (Se evaluaron variables) sociodemográficas (sexo, idade, nível de escolaridade, ocupação e renda familiar mensal [y los ingresos familiares mensuales]) e clínicas (diagnóstico do tipo de neoplasia e a localização do tumor primário), obtidas do prontuário dos (obtenidas del registro de los) pacientes participantes.
Para a avaliação do estado nutricional, considerou-se o índice de massa corporal (IMC), a circunferência braquial (CB), a prega cutânea triciptal (PCT) e a circunferência muscular do braço (CMB). O peso foi obtido com uso de balança (El peso se obtuvo con el uso de una balanza) digital Filizola®, devidamente aferida e calibrada (ajustada y calibrada). A altura foi obtida por meio (se obtuvo a través) de estadiômetro acoplado à balança com precisão em centímetros. Para aferição, o paciente ficou em pé, descalço, com os calcanhares juntos, costas retas e os braços (ajuste, el paciente quedó parado, descalzo, con los talones juntos, la espalda recta y los brazos) estendidos lateralmente, com a cabeça em plano de Frankfurt.11,12 As medidas foram realizadas em duplicata, caso houvesse diferença (por duplicado, si había diferencia) superior a 100 g para o peso e maior que 0.5 cm para altura, uma terceira medida foi realizada, sendo considerada a média dos valores mais próximos para efeito (considerándose la media de los valores más cercanos para efectos) de registro. O cálculo do IMC foi realizado através da divisão do (de la división del) peso, em quilogramas (kg) pela estatura, em metros (m), ao quadrado (al cuadrado). O resultado foi expresso em kg/m2.13
O IMC foi classificado de acordo com o proposto pela (de acuerdo com el sugerido por la) Organização Mundial de Saúde11, com as seguintes faixas de distribuição: baixo (con los siguientes rangos de distribución: bajo) peso (< 18.5 kg/m2), eutrofia (= 18.5 a 25 kg/m2), sobrepeso (= 25 a < 30 kg/m2) e obesidade (= 30 kg/m2). Para os idosos foram utilizados os (Para los ancianos se usaron los) valores propostos por Lipshitz (1994),14 que define baixo peso (< 22 kg/m2), eutrofia (= 22 a 27 kg/m2) e excesso de peso (= 27 kg/m2).
As medidas de CB e PCT foram aferidas com fita (fueron tomadas con cinta) métrica inelástica e adipômetro, respectivamente. Foi utilizado um adipômetro científico da marca Cescorf®. A CB foi expressa em centímetros.11,15 Com os valores obtidos através da aferição da CB e PCT, calculou-se a CMB através da equação: CMB = CB – (p x PCT).16 Os valores de CB, PCT e CMB obtidos foram comparados com o (obtenidos se compararon con el) percentil 50 do padrão de referência proposto (del valor de referencia sugerido) por Frisancho (1990)17 para sexo e faixa etária (para el sexo y grupo etario), sendo verificado o percentual de adequação. Para classificação do estado nutricional foi considerada a proposta de Blackburn e Thorton (1979).18
Para avaliação da QV, foi utilizado o questionário Quality of Life Questionnaire (QLQ-C30), validado pela (validado por la) Organização Europeia de Pesquisa e Tratamento do Câncer, composto por 30 questões, aplicado pelo pesquisador, abrangendo (compuesto de 30 preguntas, aplicado por el investigador, abarcando) cinco escalas funcionais (função física, cognitiva, emocional, social e desempenho funcional); três escalas de sintomas (fadiga, dor, náuseas e vômitos); um item de avaliação de impacto financeiro do tratamento e da doença (del tratamiento y la enfermedad); cinco itens que avaliam sintomas comumente relatados por pacientes oncológicos: dispneia, insônia, perda de apetite (pérdida de apetito), constipação e diarreia; e, por fim, (y, finalmente) uma escala de estado geral de saúde/QV.
Quanto mais próximo (Cuanto más cerca) de 100 forem os valores obtidos para as escalas de estado geral de saúde/QV, funções física, cognitiva, social, emocional e desempenho de papel, melhor seu funcionamento ou que essas condições estão melhores (o que esas condiciones están mejores). As escalas de sintomas e dificuldades financeiras, por sua vez (por otro lado), quanto mais próximas de 100 forem os valores, significa maior presença desses sintomas e dificuldades (mayor presencia de estos síntomas y dificultades).
Os pacientes foram avaliados por profissional treinado e habilitado para tal função (capacitado y habilitado para esta función). A consistência interna foi medida usando-se o coeficiente alfa de Cronbach, que mede constructos latentes (que mide los constructos latentes) determinando a consistência interna dos itens através da correlação média das questões (de los tópicos a través de la correlación promedio de las preguntas) dentro de um item. Quanto maior o coeficiente alfa, mais este contribui na construção da (esto ayuda aún más en la construcción de la) escala, sendo considerados bons os valores (buenos los valores) entre 0.65 e 1.
Este estudo foi aprovado pelo (fue aprobado por el) Comitê de Ética e Pesquisa do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Pernambuco (CEP/CCS/UFPE), sob o (bajo el) número do 40570914.0.0000.5208/2015. Todos os participantes da pesquisa foram devidamente esclarecidos a respeito dos objetivos e da (fueron debidamente informados respecto de los objetivos y la) metodologia empregada, para o qual foram seguidas todas as (para tal fueron seguidas todas las) normas éticas vigentes, e assinaram termo de consentimento livre e esclarecido (y firmaron el consentimiento libre e informado).
Os dados foram analisados com o auxílio do (Los datos se analizaron con la ayuda del) programa Statistical Package for Social Sciences – SPSS versão 13.0 (SPSS Inc., Chicago, IL, USA). As variáveis contínuas foram testadas quanto à normalidade da distribuição pelo teste (Las variables continuas fueron probadas respecto de la normalidad de la distribución mediante la prueba) de Kolmogorov-Smirnov, sendo descritas na forma de média e desvio padrão quando apresentaram (en la forma de promedio y desviación estándar cuándo presentaron) distribuição normal. Os escores (Las puntuaciones) de qualidade de vida apresentaram distribuição não normal e foram descritos na (vida mostraron una distribución no normal se describen en la) forma de mediana e intervalo interquartílico. O teste de correlação de Spearman foi empregado para análise da relação (se utilizó para el análisis de la relación) entre medidas antropométricas e escore de QV. A comparação dos escores de QV em função de variáveis clínicas e demográficas foi realizada através de teste U de Mann-Whitney (duas medianas) ou Kruskal-Wallis (mais de duas medianas). Foi adotado um nível (Se adoptó un nivel) de significância estatística de 5%.

Resultados
Foram avaliados 45 pacientes, com média de idade 54.1 (± 13.5) anos, maior proporção do sexo feminino (57 8%) e de indivíduos com baixa escolaridade (con bajo nivel de educación) (53 3%). A maioria dos pacientes tinha a (La mayoría de los pacientes tenían) quimioterapia como monoterapia (86.7%) e a média do (y el promedio del) ciclo de tratamento foi 4.1 (± 2.5). Quanto à localização do (En cuanto a la ubicación del) tumor, predominaram os cânceres de mama e ginecológico (40.0%) e hematológico (26.7%) (Tabela 1).





A comparação dos escores de QV em função de variáveis clínicas e demográficas não apresentaram correlação (no mostraron correlación) estatísticamente significativa (Tabela 2).





Quanto à classificação do (Respecto de la clasificación del) estado nutricional, observaram-se elevados percentuais de desnutrição, variando de 15.6% segundo o IMC e 43.9% segundo a CMB. Além disso, o (Además, el) IMC evidenciou excesso de peso em quase metade dos (en casi la mitad de los) pacientes (44.4%) (Figura 1).





As medianas dos escores de QV estão apresentadas na Figura 2, sendo possível verificar que as escalas funcionais foram as (es posible verificar que las escalas funcionales fueron las) que apresentaram maiores pontuações (mais próximos de 100). Foi observado também, de uma forma geral, baixos escores para as (en general, las bajas puntuaciones de las) escalas de sintomas e dificuldades financeiras, indicando resultados favoráveis em todos esses aspectos (en todos estos aspectos). Para a escala de estado geral de QV obteve-se pontuação mediana de 50.0 (Q1 = 41.7; Q3 = 50.0), observando-se um comprometimento nesse aspecto (observándose un compromiso a este respecto).





Quando analisada a correlação (Cuando se evalúa la correlación) entre parâmetros antropométricos e as subescalas que compõem o (y las subescalas que constituyen el) escore global de QV, foi observada correlação inversa entre a função cognitiva com CB (r= -0.376; p = 0.011) e PCT (r= -0.318; p = 0.033), e correlação positiva entre a escala de sintoma de diarréia com a PCT (r = 0.334; p = 0.025) (Tabela 3).





A consistência interna, avaliada pelo (evaluada mediante el) coeficiente alfa de Cronbach, foi elevada em todas as subescalas, com um valor de 0.858.

Discussão
Muitos fatores contribuem para a piora do (Hay muchos factores que contribuyen al empeoramiento del) estado nutricional dos pacientes oncológicos, que por sua vez está associado com um pior prognóstico e tem um (a su vez se asocia con un peor pronóstico y tiene un) impacto direto, mas não muito bem (pero no muy bien) documentado, sobre a qualidade de vida destes pacientes. Têm-se demonstrado que os (Ha sido demostrado que los) escores de QV dos pacientes desnutridos foram piores do que os dos eutróficos (eran peores que los de eutróficos).19
A idade média encontrada (54 1 ± 13 5 anos) e a maior proporção de mulheres (57.8%) foi similar ao achados de outros estudos (a los hallazgos de otros estudios) que avaliaram o estado nutricional de pacientes oncológicos em quimioterapia.20-22
A maior prevalência de câncer de mama e ginecológico foi um resultado apontado por outros (señalado por otros) estudos que também avaliaram a relação entre QV e estado nutricional em pacientes com câncer em tratamento quimioterápico.5,22 Esse resultado pode ser atribuído à maior proporção do (la mayor proporción del) sexo feminino na população estudada. É importante destacar que dados nacionais também indicam a (datos nacionales también indican la) neoplasia de mama e ginecológica como as duas mais freqüentes na população geral (las dos más frecuentes entre la población general).2
Em relação ao estado nutricional, foi verificada variação no (se encontró variación en el) percentual de desnutrição conforme o método de diagnóstico nutricional utilizado. Comparando os valores encontrados, Miranda et al.,5 encontraram 11.7% de desnutrição segundo o IMC, 45% segundo a CB, 40% segundo a CMB e 41.7% quando avaliada a PCT, resultados relativamente parecidos com os do presente estudo (con los del presente estudio), que evidenciaram 15.6%, 42.2%, 43.9% e 33.3%, para IMC, CB, CMB e PCT, respectivamente.
Essa variação de valores entre os métodos utilizados deve-se ao fato de que cada um deles pode traduzir um (es debido al hecho de que cada uno de ellos puede traducir un) significado diferente. Portanto, como um parâmetro isolado não caracteriza a condição nutricional geral do (Por lo tanto, como un único parámetro, no caracteriza el estado nutricional general del) indivíduo, é necessária uma associação de vários indicadores para melhorar a precisão e a acurácia do (mejorar la precisión y exactitud del) diagnóstico nutricional.23
A maior prevalência de desnutrição segundo a (según la) CMB observada nesta investigação pode ser atribuída ao fato deste parâmetro estar relacionado à massa (al hecho de que este parámetro está relacionado con la masa) muscular. Doenças catabólicas, a exemplo do câncer e insuficiência cardíaca, cursam com importante degradação protéica, havendo mobilização e deposição desproporcionais de tecido muscular e adiposo durante a perda (cursan con importante degradación de proteínas, con la movilización y la deposición desproporcionadas de músculo y tejido adiposo durante la pérdida) de peso.24
Para avaliar as alterações nutricionais decorrentes do (Para evaluar los cambios nutricionales que resultan del) tratamento quimioterápico, são recomendados vários métodos antropométricos, entre eles: IMC que reflete a gordura corporal e a (refleja la grasa corporal y la) massa muscular; PCT, que reflete a reserva de gordura corporal; CB, que representa o somatório do tecido ósseo, muscular e gorduroso (la suma del tejido óseo, múscular y adiposo); e CMB, que indica o comprometimento do tecido muscular. O IMC apesar de ser amplamente utilizado, é um parâmetro que possui (es un parámetro que tiene) valor limitado porque não faz distinção entre massa magra e gordurosa, podendo levar a erros quando há expansão (no distingue entre la masa magra y grasa, puede conducir a errores cuando hay expansión) de líquido extracelular, ocasionando retenção hídrica e mascarando o real (y enmascara el verdadero) estado nutricional.25
Foi encontrado um alto percentual de excesso de peso através do IMC (44.4%), isso pode ser decorrente da amostra ter sido constituída por um (esto puede ser debido a que la muestra se compone de un) elevado percentual de mulheres portadoras de câncer de mama, pois se sabe que o (ya se sabe que el) excesso de gordura corporal representa um importante fator de risco (factor de riesgo) para essa neoplasia. Achado semelhante foi descrito em um (Similar resultado se describe en un) estudo que avaliou 100 mulheres sobreviventes de câncer de mama e encontrou 86% de excesso de peso nessas pacientes após o (en esas pacientes luego del) tratamento.26 Em contrapartida, foi encontrado um alto percentual de desnutrição pela CMB, mostrando que muitas vezes a depleção de massa magra pode ser mascarada pelo (el agotamiento de la masa magra puede estar enmascarado por el) elevado peso corporal. Além disso (Además), a coexistência de comprometimento muscular e excesso de gordura corporal pressupõe a ocorrência (sugiere la presencia) de obesidade sarcopênica, condição relacionada à maior fragilidade, menor capacidade funcional, pior QV, maior tempo de internamento hospitalar e maior risco (aumento de la permanencia hospitalaria y mayor riesgo) de mortalidade.27
Merece destaque o fato de o (También hay que destacar el hecho de que el) presente estudo possuir delineamento transversal, com isso, não é possível (de esta manera, no es posible) estabelecer relação temporal quanto aos achados (respecto de los hallazgos) de composição corporal, uma vez que não se sabe se esses (ya que no se sabe si estos) percentuais de desnutrição encontrados refletem a repercussão da doença ou a condição nutricional prévia do indivíduo.
Qualidade de vida é definida pela OMS como: “A percepção do indivíduo de sua posição na (la percepción del individuo de su posición en la) vida, no contexto da cultura e sistemas de valores nos quais vive e em relação aos seus (sistemas de valores en los que vive y en relación con sus) objetivos, expectativas, padrões e preocupações”. Avaliar a QV em pacientes com câncer é importante para direcionar o tratamento e controlar seus efeitos colaterais (conducir el tratamiento y controlar sus efectos secundarios), monitorar os sintomas da doença e buscar ações que melhorem o bem-estar do (buscar acciones que mejoren el bienestar del) paciente.28
Em relação às pontuações das (Respecto de los puntajes de las) escalas do questionário de QV aplicada nesse estudo, a mediana do valor encontrado para o escore global foi 50.0 (Q1 = 41.7; Q3 = 50.0), refletindo um comprometimento na QV dos pacientes, pois no geral, os indivíduos só pontuaram metade do (porque, en general, los individuos sólo puntuaron la mitad del) escore total possível de ser obtido. Estudos anteriores com pacientes oncológicos em quimioterapia relataram valores de 82.3 (± 16.28), 64 (± 12), 44.1 (± 9.4),para essa escala, mostrando que há uma grande variação na percepção da (existe una gran variación en la percepción de la) QV, mesmo em populações com a mesma patologia e (aun en poblaciones con la misma patología y) tratamento semelhante.28-30 É difícil e complexo mensurar a (Es difícil y complejo medir la) QV, uma vez que esta sofre influência de valores culturais, éticos, religiosos e das percepções individuais.31 Portanto, as variações nas pontuações (Por lo tanto, las variaciones en las puntuaciones) observadas em diferentes investigações podem ser atribuídas à subjetividade e multidimensionalidade que revestem o conceito da (abarcan el concepto de la) QV.
Quanto às (Respecto de las) escalas funcional e física, um estudo avaliando 100 mulheres após o tratamento (luego del tratamiento) para câncer de mama, encontrou valores de 98.7 e 85.4, respectivamente, apresentando valores superiores aos achados desse (a los hallazgos de este) estudo (66.7 (38.9-83.3) e 73.3 (60.0-80.0), respectivamente).32 As escalas física e funcional de QV refletem aspectos importantes como alterações nas atividades do trabalho ou (cambios en las actividades del trabajo o) atividades diárias (usar o banheiro, trocar de roupa, fazer uma caminhada [usar el baño, cambiar la ropa, hacer una caminata]). Um estudo com 20 pacientes adultos e idosos de ambos os sexos, com diagnóstico de câncer, em quimioterapia, encontrou altos valores de pontuação para as funções emocionais, cognitivas e sociais (67.9, 63.3 e 68.3, respectivamente).28 Os resultados do presente estudo revelaram pontuações ainda maiores, refletindo maior satisfação em relação a esses (aun mayores, lo que refleja una mayor satisfacción en relación con estos) aspectos.
Tem sido demonstrado que o câncer tem (Se ha demostrado que el cáncer tiene) profundo impacto psicossocial na vida dos pacientes e seus familiares, pois estes experimentam sentimentos de preconceito, medo de morte e mutilação, receio dos efeitos colaterais do (ya que estos experimentan sentimientos de prejuicio, miedo a la muerte y mutilación, miedo a los efectos secundarios del) tratamento e sentimentos de desvalorização social.33 Dessa forma, a doença provoca reações devastadoras tanto no âmbito orgânico como no (reacciones devastadoras tanto a nivel orgánico como) emocional. Portanto, o desgaste físico e emocional decorrente do diagnóstico e tratamento da doença (causados por el diagnóstico y tratamiento de la enfermedad), comumente influencia fortemente a QV dos pacientes oncológicos, aspecto que não foi observado nos resultados desse estudo (aspecto que no se observó en los resultados de este estudio).
A ausência de associação entre sexo, faixa etária (grupo etario), tipo de tratamento, número de ciclos realizados, periodicidade e localização do tumor, com o escore global de QV, também foi relatada em outros estudos.34,35
Não foi verificada correlação entre a (No hubo correlación entre la) escala de saúde global, e os parâmetros de avaliação nutricional. No entanto, um estudo envolvendo (Sin embargo, un estudio con) 97 pacientes portadores de diversos tipos de câncer em tratamento quimioterápico, avaliados pela Avaliação Subjetiva Global Produzida Pelo Próprio Paciente (ASG-PPP), verificou que aqueles que eram moderadamente e gravemente (observó que los que estaban moderada y gravemente) desnutridos apresentaram pior QV e condições de saúde, quando avaliada a (cuando era evaluada mediante la) escala global de QV22. Outro estudo que avaliou 115 pacientes portadores de câncer de orofaringe não mostrou diferença no escore dessa escala em função do (no mostró ninguna diferencia en la puntuación de la escala debido al) estado nutricional.26
A correlação inversa entre desempenho cognitivo e CB e PCT é um (es un) resultado discordante de relatos prévios de outros estudos, pois se observa que não só esta escala, mas outras (se observa que no solo esta escala, pero otras) também apresentam escores mais elevados para os pacientes com melhor estado nutricional. Em um (En un) estudo realizado em Bangladesh com 250 mulheres com câncer de mama, mostrou que os escores para a função cognitiva nas (se observó que las puntuaciones para la función cognitiva en las) mulheres com IMC abaixo de 18,5kg/m² foram menores que os daquelas bem nutridas (las de aquellas bien alimentadas).36
Alguns autores definem a (Algunos autores definen la) função cognitiva como resultado de um desempenho saudável do (un desempeño sano del) cérebro como a atenção e concentração, função executiva, processos de informações rápidas, linguagem, funcionamento motor, habilidade visual e espacial e a memória. Os prejuízos que os (Los daños que los) quimioterápicos podem causar no desempenho da função cognitiva são relacionados a (están relacionados con) leucoencefalopatia (alteração na substancia branca cerebral), a resposta inflamatória cerebral induzida pela ação das (por acción de las) citoquinas, a anemia e a menopausa precoce.20
Quanto aos sintomas, a pontuação da (Respecto a los síntomas, la puntuación de la) escala de diarréia correlacionou-se de modo direto com a PCT. Um estudo utilizando a ASG-PPP como forma de classificação do estado nutricional, revelou que nos pacientes classificados como bem nutridos, houve menor aparecimento (hubo menos casos) de diarreia (p < 0.001),26,37 diferentemente dos achados desse estudo (de los hallazgos de este estudio), que identificou correlação positiva com a escala desse sintoma.
Embora muitos (Aunque muchos) estudos demonstrem associação entre a desnutrição e baixa QV, essa relação não foi evidenciada nessa (esa relación no se observó en esta) investigação. Tal resultado pode decorrer do tamanho insuficiente da amostra (puede deberse al tamaño insuficiente de la muestra) para detectar tal associação.
Como limitações do estudo, é (Como limitaciones del estudio, es) importante destacar a não aleatoriedade no processo de seleção amostral, portanto a (no aleatoriedad del proceso de selección de la muestra, por lo tanto la) extrapolação dos resultados obtidos para outros pacientes oncologicos deve ser realizada com cautela.
Outro aspecto importante que deve ser mencionado foi o fato de não ter sido (fue el hecho de no haber sido) utilizada a ASG-PPP, que é considerada um (que se considera un) instrumento sensível e útil para avaliação nutricional de pacientes portadores de câncer. Além disso, a inexistência de um ponto de corte (Por otra parte, la ausencia de un punto de corte) para classificar o nível de qualidade de vida compromete a interpretação de alguns resultados e a (algunos resultados y la) possibilidade de inferir mais precisamente sobre a qualidade de vida.

Conclusão
A avaliação da QV é complexa e (es compleja y) multidimensional. Nos pacientes avaliados, verificou-se comprometimento da QV sob alguns aspectos (bajo algunos aspectos) (saúde global) e satisfação em relação a outros (satisfacción respecto de otros) domínios (sintomas, emocional e físico).
Entretanto, não se deve deixar de considerar que as (no hay que dejar de considerar que las) condições nutricionais podem repercutir em pior (en una peor) QV. Sendo assim, a realização de mais (Por lo tanto, la realización de más) estudos contribuiria para destacar a importância de preservar o estado nutricional do paciente oncológico, além disso, estudos que estabeleçam (además, estudios que definan) cortes para pontuação da QV seriam de extrema importância e ampliariam a aplicabilidade dos (y ampliarían la aplicabilidad de los) instrumentos de avaliação.



Bibliografía del artículo
1. Cozerattolini R, Gallon CW. Qualidade de vida e perfil nutricional de pacientes com câncer colorretal colostomizados. Rev Bras Coloproct 30(3):89-28, 2010.
2. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, Brasil. Estimativa 2016: Incidência de Câncer no Brasil. 2016. Disponível em: http://www.inca.gov.br/wcm/dncc/2015/estimativa-2016.asp. Acesso em: 21/1/2016.
3. Toscano BAF, Coelho MS, Abreu HB, Logrado MHG, Fortes RC. Câncer: implicações nutricionais. Com Ciências Saúde 19(2):71-80, 2008.
4. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, Brasil. Tratamento do câncer. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/cancer/site/tratamento. Acesso em: 13/8/2014.
5. Miranda TV, Neves FMG, Costa GNR, Souza MAM. Estado nutricional e qualidade de vida de pacientes em tratamento quimioterápico. Rev Bras Cancerol 59(1):57-64, 2013.
6. Verde SMML, São Pedro BMO, Netto MM, Damasceno, NRT. Aversão alimentar adquirida e qualidade de vida em mulheres com neoplasia mamária. Rev Nutr 22(6):95-07, 2009.
7. Thoresen L, Frykholm G, Lydersen S, Ulveland H, Baracos V, Birdsell L, et al. The association of nutritional assessment criteria with health-related quality of life in patients with advanced colorectal carcinoma. Eur J Cancer Care 21:05-16, 2012.
8. Nicolussi AC, Sawada NO. Fatores que influenciam a qualidade de vida de pacientes com câncer de cólon e reto. Acta Paul Enferm 23(1):125-30, 2010.
9. Malihi Z, Kandiah M, Chan Y, Hosseinzadeh M, Sohanaki MA, Zarif MY. Nutritional status and quality of life in patients with acute leukaemia prior to and after induction chemotherapy in three hospitals in Tehran, Iran: A prospective study. J Hum Nutr Diet (Suppl.1):23-31, 2013.
10. Pastore CA, Oehlschlaeger MHK, Gonzalez MC. Impacto do estado nutricional e da força muscular sobre o estado de saúde geral e qualidade de vida em pacientes com câncer de trato gastrintestinal e de pulmão. Rev Bras Cancerol 59(1):43-49, 2013.
11. World Health Organization. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Geneva: WHO; 1995.
12. Lohman TG. Skinfolds and body density and their relation to body fatness: a review. Hum Biol 53(2):81-25, 1981.
13. Duarte AC, Castellani FR. Semiologia nutricional. Rio de Janeiro: Axel Books; 2002.
14. Lipschitz DA. Screening for nutritional status in the elderly. Prim Care 21(1):55-67, 1994.
15. Nacif M, Viebig RF. Avaliação antropométrica nos ciclos da vida: uma revisão prática. São Paulo: Editora Metha, p. 47, 2007.
16. Frisancho AR. New norms of upper limb fat and muscle areas for assessment of nutritional status. Am J Clin Nutr 34:40-45, 1981.
17. Frisancho AR. Anthropometric standards for the assessment of growth and nutritional status. Ann Arbor, Michigan, University of Michigan Press, 1990.
18. Blackburn GL, Thorton PA. Nutritional assessment of the hospitalized patients. Med Clin North Am 63:03-05, 1979.
19. Borges LR, Paiva SI, Silveira, DH, Assunção, MCF, Gonzalez, MC. Can nutritional status influence the quality of life of cancer patients? Rev Nutr 23(5):45-53, 2010.
20. Machado SM, Sawada NO. Avaliação da qualidade de vida de pacientes oncológicos em tratamento quimioterápico adjuvante. Texto Contexto Enferm 17(4)50-7, 2008.
21. Mohammadi S, Sulaiman S, Koon P, Amani R, Hosseini SM, Association of Nutritional Status with Quality of Life in Breast Cancer Survivors. Asian Pac J Cancer Prev 1(14), 2013.
22. Vergara N, Montoya JE, Luna HG, Amparo JR, Cristal-Luna G. Quality of life and nutritional status among cancer patients on chemotherapy. Oman Med J 28(4):70-4, 2013.
23. Bocchi EA, Marcondes-Braga FG, Bacal F, Ferraz AS, Albuquerque D, Rodrigues D, et al. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Atualizacao da diretriz brasileira de insuficiencia cardiaca cronica. Arq Bras Cardiol 98(1):1-33, 2012.
24. Cuppari L, Draibe AS. Avaliacao nutricional de pacientes renais cronicos em programa de hemodialise. Estudo multicentrico. Revr Assoc Med Bras 35:9-14, 1989.
25. Tartari RF, Busnello FM, Nunes CHA. Perfil nutricional de pacientes em tratamento quimioterápico em um ambulatório especializado em quimioterapia. Rev Bras Cancerol 56(1):43-50, 2010.
26. Jager-Wittenaar HT, Dijkstra PU, Arjan Vissink DDS, Van der Laan BFA, Vanoort MROBP, Roodenburg JLN. Malnutrition and quality of life in patients treated for oral or oropharyngeal cancer. Wiley Online Library 2010.
27. Meng P, Yi-xin HU, Ying Z, Zhang M, SUN J et. al. Sarcopenia and sarcopenic obesity among men aged 80 yea and older in Beijing: prevalence and its association with functional performance. Geriatr Gerontol Int 14(Suppl. 1):29-35, 2014.
28. Azevedo CD, Dal Bosco SM. Perfil nutricional, dietético e qualidade de vida de pacientes em tratamento quimioterápico. Consc Saúde 10(1):23-30, 2011.
29. Andrade V, Sawada NO, Barichello E. Qualidade de vida de pacientes com câncer hematológico em tratamento quimioterápico. Rev Esc Enferm 47(2):55-61, 2013.
30. Sat-Muñoz AD, Morán Mendoza PJ, Solano-Murillo LMA, Balderas-Peña D, Rivera-Morales A, Iñíguez-Virgen AL, et al. Papel del cuestionario EORTC QLQ-C30 en la predicción de riesgo de desnutrición en pacientes mexicanos con cáncer de cabeza y cuello. Nutr Hosp 27(2):77-82, 2012.
31. Santos SR, Santos IBC, Fernandes MGM, Henriques MERM. Qualidade de vida do idoso na comunidade: aplicação da escala de flanagan. Rev Latino-Am Enfermagem 10(6):57-64, 2002.
32. Mohammadi S, Sulaiman S, Koon PB, Amani R, Hosseini SM. Impact of healthy eating practices and physical activity on quality of life among breast cancer survivors. Asian Pac J Cancer Prev 14(1):81-7, 2013.
33. Makluf ASD, Dias RC, Barra AA. Avaliação da qualidade de vida em mulheres com câncer de mama. Rev Bras Cancerol 5(1):49-58, 2006.
34. Dehkordi A, Heydarnejad MS, Fatehi, D. Quality of life in cancer patients undergoing chemotherapy. Oman Med J 24:04-07, 2009.
35. Mansano-Schlosser TC, Ceolim MF. Qualidade de vida de pacientes com câncer no período de quimioterapia. Texto Contexto Enferm 21(3):01-07, 2012.
36. Rahman M, Abul Ahsan A, Monalisa, NN, Rahman k. Influence of socioeconomic status and bmi on the quality of life after mastectomy in bangladeshi breast cancer patients in a public hospital. Jpn J Clin Oncol 44(12):50-7, 2014.
37. Sampaio HAC, Oliveira NM, Sabry MOD, Carioca AAF, Pinheiro LGP. Rev Bras Cancerol 58(2):23-30, 2012.
© Está  expresamente prohibida la redistribución y la redifusión de todo o parte de los  contenidos de la Sociedad Iberoamericana de Información Científica (SIIC) S.A. sin  previo y expreso consentimiento de SIIC

anterior.gif (1015 bytes)

 


Bienvenidos a siicsalud
Acerca de SIIC Estructura de SIIC


Sociedad Iberoamericana de Información Científica (SIIC)
Arias 2624, (C1429DXT), Buenos Aires, Argentina atencionallector@siicsalud.com;  Tel: +54 11 4702-1011 / 4702-3911 / 4702-3917
Casilla de Correo 2568, (C1000WAZ) Correo Central, Buenos Aires.
Copyright siicsalud© 1997-2021, Sociedad Iberoamericana de Información Científica(SIIC)