Conceptos Categóricos

COVID-19
Informes Científicos CHEQUEADOS

América Latina Investiga

Artículos recientes publicados por colecciones de revistas científicas biomédicas de América Latina.
La información se presenta en castellano, portugués o inglés, según fuera publicada por los editores o registrada en las bases de datos.
La mayoría de los artículos enlaza con los textos completos y gratuitos de las revistas.
Los trabajos fueron provistos por sus editores o seleccionados por SIIC en recursos documentarios de la región: Scielo, Lilacs, BVS, WHO Iris, Lis, PAHO Iris, SIIC Data Bases y otros.

 
Femina
Atendimento ambulatorial de gestantes e puérperas durante a pandemia de COVID-19

Fuente científica: Femina siic_db.gif
Fecha de actualización: 14 Octubre, 2020

Diretrizes de biossegurança para o atendimento odontológico durante a pandemia do COVID-19: revisão de literatura
Biosafety guidelines for service dentistry during the COVID-19 pandemic: literature review

Vicente, Karola Mayra dos Santos; s.af, Silva, Beatriz Maria da; s.af, Leer más
Barbosa, Danielle do Nascimento; s.af, Pinheiro, Juliana Campos Pinheiro,; s.af, Leite, Rafaella Bastos; s.af



Fuente científica: Rev. Odontol. Araçatuba (Impr.)

Fecha de actualización: 6 Octubre, 2020

Introdução: O SARS-CoV-2 apresenta-se como um tipo de coronavírus que teve seus primeiros relatos no fim do ano de 2019, sendo declarado como uma emergência de saúde pública internacional no início do ano 2020 pela Organização mundial de saúde. Trata-se de um vírus com alto potencial de transmissibilidade, dessa forma novas medidas e protocolos de biossegurança foram empregadas durante o atendimento odontológico, com a finalidade de minimizar os danos e riscos aos profissionais e pacientes. Objetivo: Relatar as principais medidas de proteção e recomendações que devem existir em ambientes que prestam atendimentos odontológicos durante a pandemia de Covid-19. Metodologia: Foi realizada revisão de artigos presentes nas bases de dados Pubmed e Scielo do ano de 2020, assim como nos manuais atuais de biossegurança em atendimentos odontológicos. Foram utilizados os descritores COVID-19 e Dentistry, e em adicional foram utilizados 14 documentos, sendo 8 artigos e 6 manuais oficiais sobre o tema. Conclusão: Medidas de proteção devem ser empregadas durante o atendimento odontológico, sendo importante que durante a pandemia do COVID-19 haja um reforço na biossegurança dos cirurgiões dentistas, para minimizar dessa forma o risco de contágio(AU)

Introduction: SARS-CoV-2 presents itself as a type of coronavirus that had its first reports at the end of 2019, being declared as an international public health emergency at the beginning of 2020 by the WHO. It is a virus with a high potential for transmissibility, so new biosafety measures and protocols were used during dental care, in order to minimize the damage and risks to professionals and patients. Objective: To report the main protection measures and recommendations that should exist in environments that provide dental care during the Covid-19 pandemic. Methodology: A review of articles in the Pubmed and Scielo databases for the year 2020 was carried out, as well as in the current biosafety manuals for dental care. The descriptors COVID-19 and Dentistry were used, and in addition 14 documents were used, 8 articles and 6 official manuals on the subject. Conclusion: Protective measures should be used during dental care, it is important that during the COVID-19 pandemic there is a reinforcement in the biosafety of dental surgeons, in order to minimize the risk of contagion(AU)

Palabras clave: Aerosols, Aerossóis, Coronavirus, Coronavírus, Pandemias, Pandemics

El uso de tecnologías de la información en salud para enfrentar la pandemia Covid-19 en Brasil
The use of healthinformation technologies to face the Covid-19 pandemic in Brazil

Coelho, Akeni Lobo; Escola Fiocruz de Governo. Brasília. BR, Morais, Indyara de Araujo; Universidade de Brasília. Brasília. BR, Leer más
Rosa, Weverton Vieira da Silva; Escola Superior de Ciências da Saúde. Brasília. BR



Fuente científica: Cad. Ibero Am. Direito Sanit. (Impr.)

Fecha de actualización: 6 Octubre, 2020

Objetivos: demostrar cómo el uso de las tecnologías de la información en salud, mediante el monitoreo de las redes de acceso público, contribuye a la reducción de las condiciones de salud en las pandemias, evaluando el uso de las tecnologías en las experiencias internacionales y su aplicabilidad en la realidad brasileña. Metodología:Se realizó una revisión integradora con una encuesta de artículos en las bases de datos Scielo, Pubmedy Google Scholar. Se seleccionaron 21 artículos y 11 documentos diferentes, tales como piezas periodísticas, capítulos de libros, reseñas, entre otros. Los artículos fueron leídos y analizados críticamente por dos investigadores diferentes. Un tercer investigador se encargó de interpretar los resultados. Resultados:el estudio demostró que existe una gran tendencia mundial hacia el uso de las tecnologías de la información y las comunicaciones como herramientas para ayudar a enfrentar las pandemias, ya que hubo varios ejemplos mundiales que versaron sobre el uso de tecnologías para el control de Covid-19, y ese uso depende de la evolución y mejora de las herramientas tecnológicas y la legislación involucrada. En Brasil, existe un gran potencial de evolución en esta área,con una mayor recopilación y uso de datos, ayudando en las estrategias y acciones de salud pública. Sin embargo, en todos los escenarios presentados, existe la necesidad de mejoras y ajustes en el ámbito legislativo -otorgando mayor responsabilidad legala los derechos de privacidad -y social, con la expansión de la infraestructura de internet, llegando a toda la población y, principalmente, con la mayor confiabilidad. de los datos. Conclusión: a partir del entendimiento del escenario de uso de las tecnologías de la información y las comunicaciones en varios países y cómo se dieron las respuestas en sus respectivos territorios, se realizó una comparación con Brasil y se notó que la capacidad tecnológica brasileña es de alguna manera limitada general. Los temas socioculturales en Brasil se destacan, porque son, a veces, barreras que existen en el escenario brasileño, y que deben ser discutidas, buscando un mejor entendimiento sobre el uso de estas tecnologías en las políticas públicas para llegar a toda la población. Con ello, se vio que es necesaria la participación consciente y activa de la ciudadanía en la provisión de información correcta, para la mejora conjunta y continua de la recolección de datos, y el correcto uso de los datos por parte del Estado, sin dañar la privacidad de los ciudadanos y mejorar la atención de la salud de la población.

Objetivos: demonstrar como o uso de tecnologias da informação em saúde, por meio do monitoramento de redes de acesso público, contribui na redução de agravos das condições de saúde em pandemias, avaliando o uso das tecnologias nas experiências internacionais e sua potencial aplicação à realidade brasileira. Metodologia:foi realizada revisão integrativa com levantamento de artigos nas bases de dados Scielo, Pubmede Google Acadêmico. Foram selecionados 21 artigos e 11 documentos diversos, como peças jornalísticas, capítulos de livros, resenhas, entre outros. Os artigos passaram por leitura e análise crítica por dois pesquisadores distintos. Um terceiro pesquisador foi responsável pela interpretação dos resultados.Resultados: o estudo demonstrou que existe uma grande tendência mundial para o uso de tecnologias da informação e comunicação como ferramentas no auxílio ao enfrentamento de pandemias, visto que foram diversos os exemplos mundiais que trataram da utilização das tecnologias para o controle do Covid-19, e esse uso depende de uma evolução e de aprimoramento das ferramentas tecnológicas e das legislações envolvidas. No Brasil, existe um grande potencial para evolução nessa área, com o aumento da captação e utilização dos dados, auxiliando nas estratégias e ações na saúde pública. Porém,em todos os cenários apresentados, faz-se necessário aprimoramento e adequações no âmbito legislativo ­conferindo maior responsabilidade legal aos direitos de privacidade­e social,com a ampliação da infraestrutura da internet,alcançando toda população e,principalmente,com a maior confiabilidade dos dados. Conclusão:a partir do entendimento sobre o cenário de utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação em diversos países e como foram às respostas nos respectivos territórios, foi feita uma comparação com o Brasil e percebeu-se que a capacidade tecnológica brasileira é limitada de uma forma geral. As questões socioculturais no Brasil se destacam, por se tratarem, por vezes, de barreiras existentes no cenário brasileiro, e que devem ser discutidas,visando um melhor entendimento sobre o uso dessas tecnologias nas políticas públicas de forma a alcançar toda população. Com isso, fora visto que é necessária a participação consciente e ativa dos cidadãos no fornecimento de informações corretas, para o aprimoramento conjunto e contínuo da captação de dados, e a utilização correta dos dados por parte do Estado, sem ferir a privacidade dos cidadãos e melhorando a assistência à saúde da população.

Objectives: to demonstrate how the use of health information technologies, by monitoring public access networks, contributes to the reduction of health conditions in pandemics, evaluating the use of technologies in international experiences and its potential applicability to Brazilian context. Methods:an integrative review was carried out with a survey of articlesin the Scielo, Pubmed and Google Scholar databases. 21 articles and 11 different documents were selected, such as journalistic pieces, book chapters, reviews, among others. The articles were read and critically analyzed by two different researchers. A third researcher was responsible for interpreting the results. Results:the study demonstrated that there is a great worldwide trend towards the use of Information and Communication Technologies as tools to help fight pandemics, since there were several world examples that dealt with the use of technologies to control Covid-19, and that use depends on the evolution and improvement of technological tools and the legislation involved. In Brazil, there is great potential for evolution in this area, with increased data collection and use, assisting in public health strategies and actions. However, in all scenarios presented, there is a need for improvement and adjustments in the legislative scope ­giving greater legal responsibility to privacy rights ­and social, with the expansion of the internet infrastructure, reaching the entire population and, mainly, with the greatest reliability of the data. Conclusion:based on the understanding of the scenario of use of Information and Communication Technologies in several countries and how the responses were made in their respective territories, a comparison was made with Brazil and it was noticed that the Brazilian technological capacity is limited in a way general. Sociocultural issues in Brazil stand out, because they are, at times, barriers that exist in the Brazilian scenario, and which must be discussed, aiming at a better understanding about the use of these technologies in public policies in order to reach the entire population. With that, it was seen that it is necessary the conscious and active participation of citizens in providing correct information, for the joint and continuous improvement of data collection, and the correct use of data by the State, without harming the privacy of citizens and improving health care for the population.

Palabras clave: Health information technologies. Information technology. Pandemics. Social network, Tecnologias da informação em saúde. Tecnologia da informação. Pandemias. Rede social, Tecnologías de la información en salud. Tecnologías de la información. Pandemias.Red social

Reflexiones sobre el uso de macrodatos en modelos predictivos de vigilancia epidemiológica en Brasil
Reflections on he use of big data in predictive models for epidemiological surveillance in Brazil

Harayama, Rui Massato; Universidade Federal do Oeste do Pará. Santarém. BR


Fuente científica: Cad. Ibero Am. Direito Sanit. (Impr.)

Fecha de actualización: 6 Octubre, 2020

Objetivo: discutir las implicaciones bioéticas del anuncio de la Salud Digital por laOrganización Mundial de la Salud y el uso de macrodatos en la producción de sistemas devigilancia predictiva de salud en Brasil. Metodología:se realizó una revisión narrativa a partirde la búsqueda de artículos en las plataformas Scielo, Bireme, Jstor y en la página de laOrganización Mundial de la Salud y el Ministerio de Salud de Brasil, con las palabras clavemacrodatos, bioética y ética, de mayo a julio, 2020. Resultados:se evidenciaron límites enel uso de macrodatos como herramienta de vigilancia epidemiológica predictiva, destacandosu uso durante la pandemia Covid-19, aunque justificado a partir de la teoría de la Bioéticade Protección y la Ética en Salud Pública. Los mayores límites observados fueron laausencia de una legislación de protección de datos adecuada y el sesgo en los datosobtenidos. Conclusión:para analizar los impactos bioéticos del uso de macrodatos en lamedicina del futuro, es fundamental profundizar la discusión sobre los posibles impactos queel uso de estas tecnologías puede tener en la vida en sociedad, con énfasis en el desarrollodel capitalismo de vigilancia, en la interferencia en la vida y la intensificación de lasdesigualdades regionales.

Objetivo: discutir as implicações bioéticas a partir do anúncio da Saúde Digital por parte da Organização Mundial da Saúde e do uso do big data na produção de sistemas preditivos de vigilância em saúde no Brasil. Metodologia: realizou-se revisão narrativa a partir da busca de artigos nas plataformas Scielo, Bireme, Jstor e na página da Organização Mundial da Saúde e do Ministério da Saúde do Brasil, com os descritores big data, bioética e ética, de maio a julho de 2020. Resultados:foram evidenciados limites no uso do big data como ferramenta de vigilância epidemiológica preditiva, notadamente com o seu uso durante a pandemia de Covid-19, apesar de justificável a partir da teoria da bioética da proteção e da ética da saúde pública. Os maiores limites observados foram ausência de legislação de proteção de dados adequada e viés dos dados obtidos. Conclusão: para análise dos impactos bioéticos do uso do big data na medicina do futuro é imprescindível aprofundar a discussão sobre os possíveis impactos que o uso dessas tecnologias pode gerar na vida em sociedade, com ênfase no desenvolvimento do capitalismo de vigilância, na interferência na vida social e no acirramento das desigualdades regionais.

Objective: to discuss the bioethical implications from the announcement of Digital Health by the World Health Organization and the use of big data in the production of predictive health surveillance systems in Brazil. Methods:conducted a narrative review based on the search for articles on Scielo, Bireme, Jstor platforms and at the World Health Organization and the Brazilian Ministry of Health webpages, with the keywords big data, bioethics and ethics, from May to July 2020. Results: limits were evidenced in the useof big data as an epidemiological forecasting surveillance tool, notably with its use during the Covid-19 pandemic, although justified by the Bioethics of Protection Theory and Public Health Ethics. The greatest limits observed were the absence of adequate data protection legislation and bias in the data obtained. Conclusion:in order to analyze the bioethical impacts of the use of big data in the medicine of the future, it is essential to deepen the discussion on the possible impacts that the use of thesetechnologies can have on life in society, with an emphasis on the development of surveillance capitalism, on interference in life and the intensification of regional inequalities.

Palabras clave: Bioethics. Big data. Public health surveillance. Ethics, Bioética. Big data. Vigilância em saúde pública. Ética, Bioética. Macrodatos.Vigilancia de salud pública. Principio moral

Atividades físicas internas, hábitos alimentares e dormir entre escolares adolescentes durante a pandêmica de COVID-19
Indoor physical activities, eating and sleeping habits among school adolescents during COVID-19 pandemic

Brito, Lilian Messias Sampaio; University Federal of Parana. Curitiba, PR. BR, Boguszewski, Margaret C. da Silva; University Federal of Parana. Curitiba, PR. BR, Leer más
Souza, Mariana T. Rosa; University Federal of Parana. Curitiba, PR. BR, Martins, Fernando; University Federal of Mato Grosso do Sul. Campo Grande, MS. BR, Mota, Jorge; University of Porto. Porto. PT, Leite, Neiva; University Federal of Parana. Porto. BR



Fuente científica: Rev. bras. ativ. fís. saúde

Fecha de actualización: 5 Octubre, 2020

O isolamento social é estratégia para evitar o contágio e transmissão do coronavírus. Este estudo teve como objetivo avaliar as atividades físicas (AF) realizadas em ambientes fechados e hábitos de saúde entre adolescentes durante o isolamento social devido à pandemia de COVID-19 (COVID-19). Estudo transversal com 342 adolescentes, de 12 a 17 anos de idade, estudantes de escola pública e participantes de atividades esportivas escolares. Um questionário on-line foi enviado para os estudantes com 18 perguntas sobre hábitos alimentares, sono, comportamentos de proteção ao COVID-19 e AF. A idade média dos estudantes foi de 15 ± 1,36 anos, 41,5% vivem com três pessoas, 77,5% moram em casas, 95% responderam que estão tomando as medidas de proteção recomendadas. Dois terços dos familiares trabalham fora de casa sendo que 65,2% deles em exposição direta ao COVID-19 (serviços essenciais). Mais da metade (53,2%) dos adolescentes fazem até três refeições por dia e 80% cumprem as horas de descanso recomendadas por noite. A maior parte do dia é usada em redes sociais e penas 27% atenderam às recomendações para AF e 29,8% relataram ganho de peso. Entre os adolescentes que relataram ganho de peso, 54,9% relataram fazer exercícios às vezes e 27,4% não fazem nenhum exercício (p < 0,001). Concluímos que, apesar das recomendações, houve redução nas AF diárias e aumento no tempo de tela entre adolescentes durante o período de isolamento social. Faz-se necessária reavaliação das maneiras de incentivar os adolescentes a manter a AF em ambientes fechados e hábitos de saúde mais saudáveis

Social isolation is a strategy to avoid contracting and spreading the coronavirus. This study aimed to evaluate physical activities (PA) performed indoors and other habits among adolescents during social isolation due to the coronavirus pandemic (COVID-19). A cross-sectional study including 342 adolescents, aged 12 to 17 years, all students from a public school who regularly participated in sports activities during the school day. An online questionnaire was sent to the students via a web link with 18 questions about eating habits, sleep, virus protection and PA. The average age of the students was 15 ± 1.36 years, 41.5% of them live with three people at home, 77.5% live in houses, 95% answered that they were following the recommended care for COVID-19. Two thirds of the family members worked outside their homes and 65.2% of them were working in direct exposure to COVID-19 (essential services). More than half (53.2%) of adolescents eat up to three meals a day and 80% meet the recommended hours of rest per night. Most of the day was on social networks and only 27% met the recommendations for PA; 29.8% reported weight gain and among them, 54.9% reported exercising at times and 27.4% no exercise at all (p < 0.001). We concluded that despite recommendations, there were reduction in daily PA and increase in screen time among adolescents during social isolation due to COVID-19. There is an urgent need to review strategies to encourage adolescents to maintain indoor PA in addition to a healthier habit

Palabras clave: Adolescentes, Adolescents, Athletes, Atletas, Brasil, Brazil, Exercise, Exercício físico, Pademia, Pandemia, Vírus, Vírus

Níveis de estresse, ansiedade, depressão e fatores associados durante a pandemia de COVID-19 em praticantes de Yoga
Levels of stress, anxiety, depression and associated factors during the COVID-19 pandemic in Yoga practitioners

Côrrea, Cinthia Andriota; Universidade Metodista de Piracicaba. Piracicaba, SP. BR, Verlengia, Rozangela; Universidade Metodista de Piracicaba. Piracicaba, SP. BR, Leer más
Ribeiro, Anna Gabriela Silva Vilela; Universidade Metodista de Piracicaba. Piracicaba, SP. BR, Crisp, Alex Harley; Universidade Metodista de Piracicaba. Piracicaba, SP. BR



Fuente científica: Rev. bras. ativ. fís. saúde

Fecha de actualización: 5 Octubre, 2020

A pandemia do novo coronavírus (COVID-19) e a crise de saúde pública tem gerado estresse em toda a população. O presente estudo teve como objetivo examinar a prática de Yoga e a sua relação com os níveis de ansiedade, depressão e estresse durante a pandemia de COVID-19. O estudo foi baseado em um questionário on-line anônimo aplicado entre 19 e 26 de maio de 2020, com questões sociodemográficas, sobre a prática de Yoga durante a pandemia e a Escala de Ansiedade Depressão e Estresse (DASS-21). Duzentos e treze participantes completaram o questionário. No geral, foram observados 12,2%, 12,2% e 8,0% de sintomas severos para estresse, ansiedade e depressão, respectivamente. Na análise de regressão logística (expressos em odds ratio; intervalo de confiança de 95%), participantes mais velhos tiveram menores chances de apresentar sintomas severos de estresse (OR = 0,30; IC95%: 0,13 ­ 0,70) e depressão (OR = 0,34; IC95%: 0,12 - 0,92), enquanto o tabagismo aumentou as chances (OR = 7,71; IC95%: 2,36 - 25,21) de sintomas severos de ansiedade. Uma maior experiência na prática de Yoga reduz significativamente as chances de apresentar sintomas severos de estresse (OR = 0,34; IC95% 0,14 - 0,83) e ansiedade (OR = 0,37; IC95% = 0,15 - 0,91). Ademais, houve menores chances de apresentar sintomas severos de estresse em praticantes que realizam um maior número de sessão semanal durante a pandemia (OR = 0,09; IC95% = 0,01 - 0,88), e de sintomas depressivos para aqueles que conseguiram manter a frequência da prática em relação ao período antes da pandemia (OR = 0,23; IC95%: 0,06 - 0,84). Nossos dados observacionais sugerem que praticantes mais experientes e que realizam mais sessões semanal reportam menor impacto psicológico durante a pandemia por COVID-19

The pandemic of the new coronavirus (COVID-19) and the public health crisis has generated stress in the entire population. The present study aimed to examine the practice of Yoga and its relationship with the levels of anxiety, depression, and stress during the COVID-19 pandemic. The study was based on an anonymous online questionnaire applied between 19 and 26 May 2020, with sociodemographic questions, on the prac-tice of Yoga during the pandemic and the Depression and Stress Anxiety Scale (DASS-21). Two hundred and thirteen participants completed the questionnaire. Overall, 12.2%, 12.2%, and 8.0% of severe symptoms for stress, anxiety, and depression were observed, respectively. In the logistic regression analysis (considering odds ratio; 95% confidence interval), older participants were less likely to have severe symptoms of stress (OR = 0.30; 95%CI: 0.13 ­ 0.70) and depression (OR = 0.34; 95%CI: 0.12 - 0.92), while smoking increased the chances (OR = 7.7; 95%CI: 2.36 - 25.21) of severe anxiety symptoms. Greater experience in Yoga practice significantly reduces the chances of experiencing severe symptoms of stress (OR = 0.34; 95%IC 0.14 - 0.83) and anxiety (OR = 0.37; 95%IC: 0.15 - 0.91). Also, there is a reduction in the chances of experiencing severe symptoms of stress in practitioners who perform a greater number of weekly sessions during the pandemic (OR = 0.09; 95%IC: 0.01 - 0.88) and a reduction in depressive symptoms for those who managed to maintain the frequency of the practice in relation to the period before the pandemic (OR = 0.23; 95%IC: 0.06 - 0.84). Our observational data suggest that more experienced practitioners who have more weekly sessions report less psychological impact during the COVID-19 pandemic

Palabras clave: Atividade física, Coronavirus, Coronavírus, Mental health, Physical activity, Public health, Saúde mental, Saúde pública

Exercício físico em casa durante o confinamento na pandemia COVID-19 e a saúde mental em adultos: um estudo comparativo transversal
Home-based exercise during confinement in COVID-19 pandemic and mental health in adults: a cross-sectional comparative study

Solon Júnior, Luiz José Frota; Universidade Federal do Ceará. Sobral, CE. BR, Fortes, Leonardo de Sousa; Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, PB. BR, Leer más
Barbosa, Bruno Teixeira; Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, PB. BR, Feitosa Júnior, José Valdir Alves; Universidade Estadual Vale do Acaraú. Sobral, CE. BR, Ribeiro, Carlos Henrique Tomaz; Universidade Estadual Vale do Acaraú. Sobral, CE. BR, Silva Neto, Luiz Vieira; Universidade Estadual Vale do Acaraú. Sobral, CE. BR



Fuente científica: Rev. bras. ativ. fís. saúde

Fecha de actualización: 5 Octubre, 2020

Este estudo comparou a qualidade de vida, qualidade subjetiva do sono, atitudes alimentares e aspectos psicológicos em adultos (22,93 ± 2,58 anos), fisicamente inativos ou não, antes e durante a pandemia do COVID-19. Os participantes foram divididos em: exercícios domiciliares durante o confinamento (grupo EDDC, n = 34), fisicamente inativos durante (grupo FIDC, n = 28) e antes do confinamento (grupo FIAC, n = 27). A escala de depressão, ansiedade e estresse ­ versão curta, índice de qualidade do sono de Pittsburgh, teste de atitudes alimentares e o questionário de qualidade de vida foram utilizados para avaliar variáveis. A análise de covariância (covariável ­ gênero) foi utilizada para comparar os grupos. O tamanho do efeito foi calculado por Cohen "d " (ESd). O grupo EDDC apresentou uma melhor qualidade de vida em comparação aos grupos FIDC (p = 0,002, ESd = 1,26) e FIAC (p = 0,008, ESd = 1,00). Ansiedade (p = 0,004, ESd = 0,96), depressão (p = 0,02, ESd = 0,65) e estresse (p = 0,02, ESd = 0,72) foram significativamente maiores no grupo FIDC quando comparados ao EDDC. A qualidade do sono subjetiva foi melhor no EDDC do que nos outros grupos (p < 0,05). Nenhum grupo apresentou sintomas de transtorno alimentar; entretanto, o grupo EDDC mostrou escores maiores em comparação ao FIAC (p = 0,01). Em conclusão, adultos que se exercitaram em casa durante a pandemia do COVID-19 apresentaram melhor qualidade de vida, qualidade subjetiva de sono e níveis reduzidos de ansiedade, depressão e estresse do que aqueles fisicamente inativos

This study compared the quality of life, sleep quality, eating attitudes, and psychological aspects among adults (22.93 ± 2.58 years), whether physically inactive or not, before and during the COVID-19 pandemic. Participants were enrolled into: home-based exercise during the confinement (HBE group, n = 34), physically inactive during (PIDC group, n = 28), and before the confinement (PIBC group, n = 27). The depression, anxiety, and stress scale - Short Form, the Pittsburgh sleep quality index, the Eating Attitudes Test, and the quality of life questionnaire were used to assess var-iables. The covariance analysis (covariable - gender) was used to compare variables among the groups. The effect size was calculated by Cohen "d" (ESd). The HBE group presented a better quality of life compared to both PIDC (p = 0.002, ESd = 1.26) and PIBC (p = 0.008, ESd = 1.00) groups. Anxiety (p = 0.004, ESd = 0.96), depression (p = 0.02, ESd = 0.65) and stress (p = 0.02, ESd = 0.72) were significantly higher in the PIDC group when compared to HBE group. Self-reported sleep quality was better in the HBE group than in both other groups (p < 0.05). No group presented eating disorder symptoms; however, the HBE group has shown higher scores compared to both PIBC group (p = 0.01). In conclusion, adults who had exercised at home during the COVID-19 pandemic presented better quality of life, self-reported sleep quality, and reduced anxiety, depression, and stress levels than those physically inactive ones before and during the pandemic

Palabras clave: Atividade física, Coronavirus, Coronavírus, Health, Physical activity, Psicologia, Psychology, Saúde

Discursos de instituições de saúde brasileiras sobre atividade física no início da pandemia de COVID-19
Discourses of Brazilian health institutions on physical activity at the beginning of the COVID-19 pandemic

Knuth, Alan Goularte; Universidade Federal do Rio Grande. Rio Grande, RS. BR, Carvalho, Fabio Fortunato Brasil; Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Rio de Janeiro, RJ. BR, Leer más
Freitas, Débora Duarte; Instituto Federal Farroupilha. Uruguaiana, RS. BR



Fuente científica: Rev. bras. ativ. fís. saúde

Fecha de actualización: 5 Octubre, 2020

Este estudo objetiva analisar os discursos produzidos por instituições de saúde sobre atividade física no início da pandemia de COVID-19 (março e começo de abril) no Brasil. Foi realizado um estudo documental a partir de sites de instituições de saúde, com o aporte teórico-metodológico inspirado nos estudos foucaultianos a partir do entrelaçamento da noção de discurso e seu impacto no governo das condutas. Foram compiladas 17 comunicações, sendo três de instituições governamentais, nove de sociedades médicas e cinco da educação física. Os primeiros comunicados abordaram a higiene pessoal e de equipamentos, referentes a locais fechados e em seguida a restrição de atividade física em tais espaços, indicando o domicílio para a realização das práticas. Assim, houve predomínio da atividade física em sua vertente biológica especialmente na estimativa de afetar a função imunológica. Problematizamos os discursos a partir da noção do governo das condutas, onde indivíduos e famílias foram acionados a praticar atividade física em casa, sem garantia de instrumentalização e acesso ao conhecimento e profissionais desta área

The aim of this article is to analyze discourses produced by health institutions regarding physical activity in the beginning of the COVID-19 pandemic (March and early April) in Brazil. A documentary study was carried out using websites of health institutions. The process were theoretical-methodological support inspired in Foucault's studies based on the intertwining notion of discourse and its impact on the conduct of the government. A total of 17 documents were compiled, three from government institutions, nine from medical societies and five from physical education institutions. The first documents addressed the personal and equipment hygiene concerning closed places, the following communications were about restricting physical activities in these places, finally recommending the performance of these activities at home. Therefore, physical activity predominated in its biological perspective, especially affecting immune function. The problematization of the discourses was carried out based on the governmentality notion in which individuals and families were triggered to practice physical activities at home without instrumentalization, access to knowledge and to physical education professionals

Palabras clave: Atividade motora, Comunicação em saúde, Discourse, Discurso, Health communication, Motor activity, Pandemias, Pandemics

Influência do distanciamento social no nível de atividade física durante a pandemia do COVID-19
Influence of social distancing on the physical activity level during the COVID-19 pandemic

Costa, Cicero Luciano Alves; Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Departamento de Educação Física e Esportes. Fortaleza, CE. BR, Costa, Tiago Maia; Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Departamento de Educação Física e Esportes. Fortaleza, CE. BR, Leer más
Barbosa Filho, Valter Cordeiro; Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Departamento de Educação Física e Esportes. Fortaleza, CE. BR, Bandeira, Paulo Felipe Ribeiro; Universidade Regional do Cariri. Crato, CE. BR, Siqueira, Rômmulo Celly Lima; Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Departamento de Educação Física e Esportes. Fortaleza, CE. BR



Fuente científica: Rev. bras. ativ. fís. saúde

Fecha de actualización: 5 Octubre, 2020

Este estudo investigou como as medidas de distanciamento social para o combate ao COVID-19 tem influenciado o nível de atividade física. Um questionário estruturado sobre as práticas de atividade física antes e durante o período de distanciamento social foi disponibilizado on-line para coleta das informações dos 2004 adultos (18 anos ou mais de idade) residentes em municípios das cinco regiões brasileiras. Utilizou-se teste Qui-quadrado para avaliar associações entre o nível de atividade física anterior e durante o período da pandemia. Associações entre variáveis intervenientes foram verificadas através do odds ratio. Os participantes reduziram o nível de atividade física após a adoção das medidas de distanciamento social. O maior nível de atividade física durante a pandemia está associado ao sexo masculino, residir em região metropolitana e não pertencer a grupos de risco. Embora estes fatores já influenciassem o nível de atividade física antes da pandemia, os resultados do odds ratio indicaram que no período da pandemia os fatores sexo, região e risco apresentaram reduções no seu poder de predição. Questões levantadas neste estudo podem auxiliar o planejamento de ações voltadas ao incentivo da prática de atividade física em períodos de crise

This study investigated how measures of social distancing to mitigate COVID-19 influences physical activity level. A structured questionnaire with questions related to the practice of physical activities before and during the period of social distancing was provided online to collect informations of the 2004 adults (aged >18 years) who lived in municipalities from all five regions in Brazil. A Chi-square test was used to assess associations between physical activity level previous and during the pandemic period. Associations between intervening variables were verified using odds ratio. The participants reduced the level of physical activity after the adoption of social distancing measures. The highest level of physical activity during the pandemic is associated with male sex, living in the metropolitan region and not being a higher-risk group. Although these factors already influenced physical activity level before the pandemic, odds ratio results indicated that in the pandemic period the sex, region and risk factors showed reductions in their predictive power. Questions raised in this study can help to plan actions aimed at encouraging the practice of physical activities in times of crisis

Palabras clave: Atividade física, COVID-19, COVID-19, Mitigation, Mitigação, Pandemia, Pandemic, Physical activity