Conceptos Categóricos

PAPEL DA AUTONOMIA E DA PARTICIPAÇAO DOS TRABALHADORES EM INTERVENÇOES EM SAUDE DO TRABALHADOR EM SERVIÇOS DE SAUDE NO BRASIL

PAPEL DA AUTONOMIA E DA PARTICIPAÇAO DOS TRABALHADORES EM INTERVENÇOES EM SAUDE DO TRABALHADOR EM SERVIÇOS DE SAUDE NO BRASIL

(especial para SIIC © Derechos reservados)
No Brasil, diversos fatores levaram a sociedade a reivindicar melhorias nas condições de trabalho e saúde no setor saúde, resultando em modificações no arcabouço legal e progressos na construção de políticas públicas. O objetivo deste estudo é avaliar esta legislação e os meios para garantir seu cumprimento, fazendo sugestões que contribuam efetivamente para promover a saúde desses trabalhadores.
Autor:
Erica Lui Reinhardt
Columnista Experta de SIIC

Institución:
Fundacentro


Artículos publicados por Erica Lui Reinhardt
Recepción del artículo
8 de Junio, 2011
Primera edición
27 de Febrero, 2013
Segunda edición, ampliada y corregida
31 de Marzo, 2014

Resumen
A saúde do trabalhador da saúde suscita alguma preocupação há algum tempo no Brasil, resultando em estudos sobre os mais variados aspectos. A maioria deles é de estudos de avaliação, e raros são aqueles em que se relata os resultados de intervenções relacionadas à saúde do trabalhador. Como a participação autônoma do trabalhador é fundamental para o sucesso dessas intervenções, no presente estudo propõe-se analisar seu papel em estudos de intervenção em saúde do trabalhador em serviços de saúde brasileiros. Os artigos analisados, publicados entre 2008 e 2011, foram localizados nas bases de dados SciELO e PubMed. Nesses estudos observou-se que a participação autônoma do trabalhador contribuiu para a diminuição de sintomas e doenças relacionadas ao trabalho, adesão a medidas de prevenção, elaboração de instrumentos técnicos e legais em saúde do trabalhador, para o fortalecimento da identidade profissional, motivação, capacidade para trabalhar e enfrentar os problemas e para promover melhorias no ambiente de trabalho. No entanto, se a participação do trabalhador não for formalmente reconhecida pelo administração e se a instituição não estiver comprometida com as melhorias nos ambientes, processos e organização do trabalho, esta participação pode, pelo contrário, trazer prejuízos à capacidade de trabalho e à saúde desses trabalhadores.

Palabras clave
autonomia profissional, autonomía profesional, desenvolvimento de programas, creación de programas, saúde do trabalhador, salud del trabajador, serviços de saúde, servicios de salud


Artículo completo

(castellano)
Extensión:  +/-5.09 páginas impresas en papel A4
Exclusivo para suscriptores/assinantes

Abstract
Healthcare occupational health is subject of some concern for a while in Brazil, which is reflected in the published studies on its several aspects. Most of them are evaluation studies, and only a few reports the results of interventions on occupational health. As autonomous worker participation is critical to the success of these interventions, this study proposes to review its role in published intervention studies about occupational health in health services in Brazil. The analyzed articles were published between 2008 and 2011 and were located in the SciELO and PubMed databases. It was observed that the autonomous participation of worker contributed to reduction in occupational diseases and improvement in musculoskeletal symptoms, adherence to preventive practices, and development of technical and legal instruments in occupational health, besides strengthening of professional identity, motivation, coping and work ability and contributions to the workplace improvement. However, if the worker's participation is not formally recognized by the administration, and the institution is not committed to the occupational health programs, then participation could have negative effects on health and work ability of these workers.

Key words
program development, occupational health, health services, professional autonomy


Clasificación en siicsalud
Artículos originales > Expertos de Iberoamérica >
página   www.siicsalud.com/des/expertocompleto.php/

Especialidades
Principal: Medicina del Trabajo, Medicina Legal
Relacionadas: Bioética, Salud Pública



Comprar este artículo
Extensión: 5.09 páginas impresas en papel A4

file05.gif (1491 bytes) Artículos seleccionados para su compra



Enviar correspondencia a:
Erica Lui Reinhardt, Fundacentro, 05409-002, Rua Capote Valente, 710, Pinheiros, São Paulo, Brasil
Bibliografía del artículo
1. Santana VS. Saúde do trabalhador no Brasil: pesquisa na pós-graduação. Rev Saude Publica 40(spe):101-111, 2006.
2. Santos PR. Saúde do trabalhador no trabalho hospitalar: metodologias integradas de avaliação de experiências nos espaços de intervenção em hospitais no estado do Rio de Janeiro [tese de doutorado]. Rio de Janeiro, Brasil: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca/FIOCRUZ; 2009.
3. Consolino AMGAV, Briet MC, Leão MABG. Saúde ocupacional e saúde do trabalhador: uma análise da produção científica. Anais do XV Encontro Latino Americano de Iniciação Científica, XI Encontro Latino Americano de Pós Graduação e V Encontro Latino Americano de Iniciação Científica Júnior; 2011; São José dos Campos, Brasil. São José dos Campos, Brasil: UNIVAP; 2011. p 1-6.
4. Schmoeller R, Trindade LL, Neis MB, Gelbcke FL, Pires DEP. Cargas de trabalho e condições de trabalho da enfermagem: revisão integrativa. Rev Gaúcha Enferm 32(2):368-377, 2011.
5. Reinhardt EL, Fischer FM. Barreiras às intervenções relacionadas à saúde do trabalhador do setor saúde no Brasil. Rev Panam Salud Pública 25(5):411-417, 2009.
6. Isosaki M, Cardoso E, Glina DMR, Pustiglione M, Rocha LE. Intervenção nas situações de trabalho em um serviço de nutrição hospitalar e repercussões nos sintomas osteomusculares. Rev Nutr 24(3):449-462, 2011.
7. Marra AR, Guastelli LR, Araújo CMP, Santos JLS, Lamblet LCR, Silva Jr M e col. Positive deviance: a new strategy for improving hand hygiene compliance. Infect Control Hosp Epidemiol 31:12-20, 2010.
8. Santos PR, Noronha NH, Mattos UAO, Silva D. Enfermagem e atenção à saúde do trabalhador: a experiência da ação de imunização na Fiocruz/Manguinhos. Ciênc Saúde Coletiva 16(2):553-565, 2011.
9. Vilela RAG, Malagoli ME, Morrone LC. Gerenciamento participativo em saúde do trabalhador: uma experiência na atividade de controle de vetores. Saúde Soc 19(4):969-980, 2010.
10. Bianchessi DLC, Tittoni J. Trabalho, saúde e subjetividade sob o olhar dos trabalhadores administrativo-operacionais de um hospital geral, público e universitário. Physis 19(4):969-988, 2009.
11. Mendes FMS, Ceotto EC. Relato de intervenção em psicologia: identidade social do agente comunitário de saúde. Saúde Soc 20(2):496-506, 2011.
12. Medeiros CRG, Junqueira AGW, Schwingel G, Carreno I, Jungles LAP, Saldanha OMFL. A rotatividade de enfermeiros e médicos: um impasse na implementação da Estratégia de Saúde da Família. Ciênc Saúde Coletiva 15(Suppl. 1):1521-1531, 2010.
13. Souza NVDO, Santos DM, Ramos EL, Anunciação CT, Thiengo PCS, Fernandes MC. Repercussões psicofísicas na saúde dos enfermeiros da adaptação e improvisação de materiais hospitalares. Esc Anna Nery 14(2):236-243, 2010.
14. Masson LP, Brito JC, Sousa RNP. O trabalho e a saúde de cuidadores de adolescentes com deficiência: uma aproximação a partir do ponto de vista da atividade. Saúde Soc 17(4):68-80, 2008.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Está expresamente prohibida la redistribución y la redifusión de todo o parte de los contenidos de la Sociedad Iberoamericana de Información Científica (SIIC) S.A. sin previo y expreso consentimiento de SIIC.
ua31618
-->